.



ESTUDO DA DECO DENUNCIA ESCOLAS SEM CONDIÇÕES

Um estudo da DECO revelou que muitos alunos portugueses passam frio e respiram mal nas aulas devido às temperaturas baixas e excesso de humidade no ar em muitas das escolas do país. O Ministério da Educação não gostou e pôs em causa a credibilidade do estudo e desta associação.
Mas com o arranque deste ano lectivo têm surgido muitas mais notícias de escolas sem condições, ou que continuam em obras (o Ministério da Educação fala em «uma dúzia»). Para além disso, há salas de aulas a funcionar em contentores e até num cine-teatro. Escolas com piso em amianto, uma substância cancerígena, ainda existem, e recreios em terra (que rapidamente se transformam em lama) e sem cobertura também.
A título de exemplo, lembramos que na Filipa de Lencastre, em Lisboa, a cantina foi fechada pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE). Há salas com buracos no tecto, por onde chove, janelas partidas, o quadro eléctrico não é seguro e o pátio está impróprio.
Sobre o frio nas salas de aula, que a Deco denunciou, o Sindicato de Professores da Região Centro recorda esta quarta-feira, em comunicado, um levantamento que efectuou há dois anos em 350 escolas da região, garantindo que pouco mudou: é nas escolas básicas 2,3 e secundárias que se sente mais frio; nas escolas do 1.º ciclo e nos jardins de infância vivem-se situações de maior risco, com o recurso a sistemas de aquecimento que estão proibidos (aquecedores a gás).
Há dois anos, como hoje, o frio existe porque as escolas ou não têm dinheiro para ligarem o aquecimento ou para o comprarem. «Há, ainda, deficiências no sistema eléctrico das escolas que impedem que se ligue o aquecimento quando se ligam outros equipamentos da escola», denuncia o SPRC.
Mas este sindicato fala de muitas outras situações que merecem atenção e propõe, por isso, à Deco que realize também um estudo sobre as condições em que são servidas as refeições aos alunos (principalmente nas escolas do 1.º ciclo) e também sobre a forma como são transportadas as crianças para as escolas.
Tudo porque, garante o SPRC, «há leis rigorosas, quer sobre refeitórios, quer sobre transportes de crianças que não estão a ser observadas».
Fonte: Portugal Diário

4 comentários:

António de Almeida disse...

-Como pode a ministra afirmar perante tais problemas que a abertura do ano escolar decorreu com normalidade? Tem os professores colocados? Óptimo! As escolas abriram os portões? Excelente! Mas o ambiente escolar resume-se assim? Claro que não, desde a segurança física de pais, alunos, funcionários e professores em todas as escolas, ao bom funcionamento dos equipamentos, e aqui não basta ter um ginásio para practicar desporto por ex. também é necessário possuir um balneário e água quente, ao conforto nas salas de aula, sim, conforto, o ser humano tende a sentir-se bem onde existe conforto, e os resultados tendem a melhorar se ele existir, as escolas são dos principais investimentos que um país pode e deve realizar, para conseguir uma maior eficácia no combate ao abandono e insucesso escolares. Claro que existem mais factores, desde os programas á formação pedagógica do corpo docente, materiais escolares, etc. mas os que citei serão os alicerces do sistema, a partir do qual assentará todo o edifício do sistema educativo.

Crítico disse...

O Ministrério da Educação não gostou e pôs em causa a credibilidade da DECO. Pois eu ponho em causa é a credibilidade do Ministrério e da respectiva Ministra.
Li, se não me engano, numa tira de banda desenhada, que provavelmente o Ministério tem andado a fechas as escolas que têm condições. Tem piada. As crianças é que não acharão graça nenhuma.
É a política do quero, posso e mando.

Quint disse...

O estudo da DECO incidiu só sobre escolas do ensino secundário, 2º e 3º ciclos?
Se foi assim, as críticas certeiras ao Ministério da Educação têm razão de ser.
Também abrangeu escolas do 1º Ciclo?
Então culpem cada uma das autarquias que só se lembra das crianças quando é preciso ir à busca dos pais. Eleições, oblige!

JOY disse...

Crianças a sair de casa ás 6.30 da manhã e a voltarem ás 19.00 sendo práticamente privadas do contacto com a familia, crianças do 1º e 2º anos a terem aulas na mesma escola onde estudam crianças dos 5º e 6º anos ,crianças a terem aulas metidas em contentores a grande maioria sem condições ,falta de policiamento nas escolas ,e quem via hoje o debate da nação via a Sr. ministra a desfolhar calmamente uma revista como se não fosse nada com ela enquando a deputada do bloco de esquerda usava da palavra sobre esse assunto . Como é possivel se dizer que o ano escolar abriu sem problemas ? uma palavra só MENTIROSOS.

JOY