.



ANTÓNIO NÓVOA NO DIA DE CAMÕES




Ainda há , graças a Deus, gente assim!!

Reparem nas expressões...

12 comentários:

Maria Luisa Adães disse...

Correto o que António Nóvoa nos diz com sua voz bem timbrada.

Foi o silêncio que não foi humanizado quando das medidas tomadas.

Esvrevo poesia,

Maria Luísa Adães

São disse...

António é um homem sério e profundo :restam poucos, infelizmente.

Tudo de bom.

manuel marques disse...

São raros hoje em dia.

Abraço.

Fê-blue bird disse...

Foi o que se salvou deste dia.

beijinhos

Mina disse...

Ficou tudo com expressões de tédio.
Nada que todos não saibam das desigualdades sociais.

Gostei do discurso, resta saber se estivesse no poder, como agiria!

Alguns falam bem, mas fazem mal quando lá chegam, cada vez mais descrente da politica dos politicos.
Bjocas

São disse...

Muito raros, desgraçadamente.

Boa semana, MANUEL

São disse...

Eu nem abri a televisão...

Soube deste magnífico discurso por uma amiga e não pude deixar de o partilhar.

Um abraço, FÊ

São disse...

Tédio e enfado, pois não estariam à espera de um discurso tão directo.

Eu tenho confiança em Nóvoa, que é de Esquerda e não está metido em política:é um académico.

Beijinhos, MINA

Sonhadora disse...

Minha querida

Quem nos dera que houvessem muitos assim como ele.

Um beijinho com carinho e desejo um bom fim de semana.

Sonhadora

São disse...

Seria realmente maravilhoso!

Um carinhoso beijo

AFRICA EM POESIA disse...

vim porque senti saudades





PENSAMENTO

Entre pensamentos longos
Sinto o tempo a passar
Passar sem nada ver
E também sem nada sentir...


Sinto que foste, como sempre vais...
Sei que voaste, para nova loucura...
Mas também sei que é demais
E a loucura faz sentir-me a mais...


Pensando e pensando muito
Sem muita dor e sofrimento
O tempo vai passando e andando
E o coração vai adormecendo...


Sem ânsia, sem angústia e sem retorno
Fico-me a olhar para lá longe
Além longínquo e pesado
Mas que vai sem muito sofrimento


E assim...
Sinto o quebrar das amarras...
São muitas vezes... e todas iguais
E quando o horizonte aparece ao longe...
Tu vens... mas nunca mais!...


LILI LARANJO

São disse...

Abraço grande te deixo