.



PARA QUE NINGUÉM TENHA QUE PEDIR

"Não há coisa que tanto repugne os homens como o pedir. É tal esta repugnância que nem o sangue a modera, nem o amor a facilita, nem ainda a mesma ambição, que é mais, a vence.
Deixar é grandeza, pedir é sujeição; deixar é desprezar, pedir é fazer-se desprezado; deixar é abrir as mãos próprias, pedir é beijar as mãos alheias; deixar é comprar-se, porque quem deixa livra-se; pedir é vender-se, porque quem pede cativa-se. Deixar, finalmente, é acção de quem tem, pedir é acção de quem não tem: e tanto vai de pedir a deixar, quanto vai de não ter a ter.

A palavra mais dura de pronunciar e que, para sair da boca, uma vez se engole, e afoga muitas, é peço.

Finalmente, é sentença antiquíssima de todos os sábios que ninguém comprou mais caro que quem pediu. Quem, para dar, espera que lhe peçam, vende; e quem, para que lhe dêem, pede, compra - e pelo preço mais caro e mais custoso".


Padre António Vieira - Sermões

9 comentários:

DS disse...

Gostaria de deixar aqui esta máxima que é "muito perde quem nada tem: a opurtunidade de dar".
Gostaria de dirigir esta frase tanto aos que pedem como aos que não dão. Para que, decididamente, mais ninguém tenha que pedir e que a solidariedade, a consideração e o valor humano se tornem intrínsecos em cada um de nós.

Crítica e denúncia disse...

Muito humana tua conduta querida e parabéns, foi proveitoso o dia de ontem e por incrível que pareça eu sugeri lá no Idéias Soltas, sem ver aqui tua sugestão, (coicidência) que se crie um espaço para centralizar o trabalho de ontem e dar continuidade.Também sugeri que se crie um banner específico para este trabalho. Vês como pensamos juntas? Abração de Alda

missixty disse...

silencio culpado desculpa não ter vindo antes, mas ando cheia de problemas na minha vida pessoal e ando sem cabeça para outras coisas!
Certa vez li esta frase e fiquei a pensar nela " SE houvesse menos pena no Mundo, haveria muito menos problemas". Se pensarmos bem é bem verdade, mas a pobreza também é um facto! O acto de pedir em si é indigno e não devia ser necessário! As pessoas deviam estar protegidas nas suas carências básicas e não terem de se prestar a acto tão humilhante! Uma sociedade perfeita está longe de ser conseguida! Quando conseguirmos prescindir e saber dividir teremos atingido a perfeição como seres humanos! Mas infelizmente parece-me que cada vez mais caminhamos para o individualismo.....

zé (do beco) disse...

As dívidas de gratidão são as mais difíceis de pagar.

Quanto à proposta de colaborar num eventual blogue universal, estou a pensar no assunto mas, mesmo antes de perceber o esquema para pôr em prática a ideia, penso ser um passo grande demais para as minhas curtas pernas.
Apesar do pouco tempo que tive hoje e da dificuldade em olhar para o monitor (fruto da estupidez habitual que me cola ao PC durante horas seguidas), andei a ler alguns artigos do "Notas Soltas" e do "Silêncio Culpado" e acho que estou muito longe de poder contribuir com algo que se possa equiparar.
Vocês são espectaculares. Transpiram cultura e informação por todos os poros e eu já sou "entradote" o suficiente para reconhecer o meu lugar na blogosfera.
Gosto de escrever umas coisas, manifestar a minha indignação por ver o Mundo a desmoronar-se à minha volta mas um projecto dessa dimensão (e tudo o que envolva uma luta séria pelos direitos humanos é de uma dimensão extrema) requer muitos conhecimentos, muito envolvimento e, sobretudo, saber expressar o que nos vai na alma e na cabeça sem cairmos no ridículo.
Eu sou quase analfabeto. Pertenço àquela geração dos homens que nunca foram meninos e só estudei alguma coisa já depois dos trinta anos. Tento não perder o ritmo do mundo que me rodeia e gosto de saber os "porquês" das coisas. Talvez por isso sei onde é o meu lugar e não é, de certeza, a armar ao "pingarelho" no seio de gente letrada.
Em todo o caso, por uma causa tão nobre, se eu puder ser útil nalguma coisa e a saúde mo permitir, a porta do "Rua do Beco" está sempre aberta para ti.
Bjs.

António de Almeida disse...

-Não conhecia este sermão do Padre António Vieira, mas olha que poderia ter sido escrito hoje. Continua tão actual!

ternura disse...

Quem, para dar, espera que lhe peçam, vende; e quem, para que lhe dêem, pede, compra - e pelo preço mais caro e mais custoso".
Sábias palavras que tão bem reflectem a realidade que nos é circundante.
Infelizmente, as pessoas encontram-se demasiado voltadas para si próprias, esquecendo o sofrimento humano com que nos deparamos no dia a dia.
gostei de a ler.
beijinho e bom fim de semana

addiragram disse...

A modernidade de Vieira pelo desdobramento de leituras que permite! Obrigada por o teres trazido.

*©õllyß®y disse...

Minha querida, o problema não équem pede,muitos é para droga outros por vicio, mas aquele que não pedem por vergonha, esses sim, e moram mesmo ao nosso lado, na nossa rua...eu conheço

Não entendi bem o teu comentário
mas gostaria, se puderes agradeço, e se for util melhor ainda...vou estar sem net por uns dias, mas logo aqui virei, o post onde aviso não tem comentários, mas dixa abaixo ok...

Doce beijo

SILÊNCIO CULPADO disse...

*©õllyß®y
Só um pequeno esclarecimento sobre este texto que me atribuis e achas que não compreendeste bem. ESTE TEXTO É UM TEXTO DO PADRE ANTÓNIO VIEIRA QUE EU PUS PARA REFLEXÃO.