.



SER AUTISTA



VISITE O AROMAS DE PORTUGAL E SAIBA TUDO SOBRE O AUTISMO E A SAGA DUM PAI QUE PROCURA, PARA O SEU FILHO, O RECONHECIMENTO DO ESPAÇO QUE LHE É DEVIDO

É frequente ouvirmos referir como autista qualquer pessoa que não consegue comunicar com a sua envolvente e vive mergulhada numa interioridade alheia às transformações de um mundo do qual não participa de forma integrada.

Vimos a cada passo este conceito ser aplicado a figuras do governo, ao próprio governo em si, para significar que existe um mundo interior que isola e fecha portas ao ser social que procura na convivência com os outros evoluir e atingir estádios superiores de maturidade.


Visto deste modo o autismo tanto poderá significar uma postura como uma diferença mas o que é realmente um autista? Que factores patológicos estão subjacentes a esse mergulho e que alheia a pessoa do seu mundo afectivo e do seu habitat de referencia?

Como é possível a um autista sobreviver num mundo que não compreende mas que também não o entende a ele?

Como viverão as famílias dos autistas em países impreparados para a diferença, demasiado padronizados e estereotipados para apreciarem o que foge aos seus conceitos sobre os atributos valorativos?

Que oportunidades poderá ter um autista real num país de autistas (figurados) a nível de percursos, de instituições e de realizações de vida?

Como viverão os pais dum autista que requer cuidados redobrados, aprendizagens contínuas e uma interacção permanente com os vários organismos que poderão dar apoio a necessidades que estas crianças/jovens requerem?

Terão os pais vida para além do apoio aos filhos? Ficar-lhes-á algum espaço e alguma liberdade para si próprios?

Se o autista sobrevive à morte dos familiares, qual será o seu futuro? Haverá vida possível?

Estas serão algumas das questões a ser abordadas no Silêncio Culpado.

Porque o mundo não é todo igual, porque as diferenças são a riqueza e a realidade desse mundo, porque nós precisamos conhecer o mundo em que vivemos tal como é venha debater connosco o direito à diferença.

CLIQUE AQUI:
AROMAS DE PORTUGAL

67 comentários:

António de Almeida disse...

-Ora aí está uma questão bem pertinente. Desconheço em absoluto esta doença, para lá do que vi em filmes como Rain Man, porque nunca convivi de perto com esta realidade, a qualquer título, família, amigos, vizinhos ou colegas. Como tal, não tenho opinião, vou no entanto passando por aqui, para perceber melhor este assunto. Para começar, alguém sabe quantas pessoas são afectadas em Portugal? Para se perceber melhor do que estamos a falar.

Silvia Madureira disse...

Sem dúvida que é uma questão pertinente.

Sempre ademirei estes doentes.

Muitas vezes identifico-me com eles: na inadaptação ao mundo.

Olho para eles...não sei se lhes dói alguma coisa.

Olho de novo...tenho adivinhar pensamentos...

Volto a olhar...procurando gestos, um sinal...

penso "porque não falas comigo?"

Parece que tenho esperança de os ouvir falar alguma vez."

Gostava de entrar no mundo deles.

Não! Não conheço nenhum autista pessoalmente.

Mas..é uma doença que me desperta a curiosidade.

As expressões do rosto aguçam a minha curiosidade.

Conheço autistas da televisão que por vezes divulga.

E...tenho este carinho por eles...

Ter um filho autista? Dever ser um amor incomensurável...

Até porque a mãe começa a perceber o mundo dele...imagino eu...

Lidar com estes meninos na escola?

Pois é...

Não estamos preparados.

Este ano uma colega minha disse que tinha um aluno autista.

Ela estava assustada.

um dia vou perguntar como está a correr...nunca mais disse nada.

beijo

Louise disse...

O autismo é uma característica (doença?) que tem algum sabor mítico. Nós tecemos muitas fantasias em torno dos autistas. Estou a lembrar-me daquele filme, com o Bruce Willis, em que um garoto autista consegue penetrar no sistema da Nasa e iludir o código secreto.
Não conheço pessoalmente um autista mas tanto se fala que me desperta a curiosidade.
É porque desconheço em absoluto do que se fala. Só sei que um autista é arisco e não quer falar com as pessoas.
Vou seguir com muito interesse este debate de opiniões.

Sonia disse...

Muito importante "O Silêncio Culpado" postar este tema. É um assunto do maior interesse. Vou voltar para acompanhar o debate e as informações.
Abraços!

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Lídia, grata pela tua visita ao meu cantinho... Quanto ao tema que propões, é pertinente pois tal como eu, muita gente não deve conhecer pessoalmente nenhum autista.
Vamos ver no que dá o debate... Beijinhos de carinho,
Fernandinha

O Guardião disse...

Não conheço bem esta problemática, mas penso que a vida dos pais de autistas não deve ser nada fácil, por eles e pelo futuro dos filhos.
Bom fim de semana
Cumps

Michael disse...

Ora aqui está um tema sobre o qual tenho uma curiosidade enorme.
O autista não é propriamente um atrasado mental mas sim uma pessoa diferente que tem um universo interior muito forte mas para nós desconhecido. Gostava de conhecer um autista e perceber como é que ele ama e se relaciona com os outros nomeadamente com os pais.

O das Caldas disse...

Mais um trabalho fantástico!
E gostei de ter passado pelo aromas
Fico mais rico.
Bfs
2 Beijinhos

C.Coelho disse...

Fala-se muito em autismo e autista na gíria comum. Podemos dizer que o PM é autista mas não se diz que é mongoloide ou esquizofrénico porque o autismo tem uma identidade própria. Mas sabe-se muito pouco sobre o que é ser autista e penso que há menos casos de autismo do que, por exemplo, das duas outras patologias que citei.

Olhos de mel disse...

Oie linda! Belo post! Esses tipos de autruistas, só se estivermos nos referindo ao bolso deles... enquanto isso os reais ficam totalmente desassistidos... Complicado, viu?
Bom fim de semana!
Beijos

ABEL MARQUES disse...

Não há dia em que não se oiça falar de autismo mas a verdade é que o autismo é uma zona escura no conhecimento. A vivência do autista é algo que nos escapa completamente. Ele não comunica e por isso nós não sabemos como é que ele vê e sente o que o rodeia, se tem afectos se se apercebe que os outros têm uma forma de viver. Acho este tema muito complexo.

Arte Autismo e www.arteautismo.com disse...

Querida Lídia , sua preocupação em discutir o autismo, é muito louvável, porque muito pessoas ignoram o que é o Autismo , um distúrbio do desenvolvimento. As pessoas quando deparam com um autista , não sabem como fazer diante dele.
Devo cumprimentar? Será que ele me escuta? Se eu for falar será que vai compreender? São comuns estas idéias acerca de uma pessoa com autismo.
O Autismo é um distúrbio das emoções , é preciso amor e persistência para lidar com eles.
Geralmente os pais sabem falar com seus filhos autistas , os professores também.
Por isso peço a quem conhecer um autista , que por favor os cumprimente , talvez não vá receber uma resposta , mas tenha certeza , ele ouviu seu cumprimento e gostou!
Nunca pense que um autista é um morto-vivo . Ele é gente como nós . Apenas com uma grande dificuldade de interação, que dificulta sua compreensão.
Ele entende de um modo diferente do que o nosso.
Vou dar um exemplo: Quando eu vou cozinhar Filipe, meu filho que tem autismo, gosta de pegar os temperos que ele gosta, para eu por na comida .
Eu sempre pedia a ele para pegar a massa de tomate na geladeira nessa hora . Ele pegava tudo menos o que eu pedia.
Então passei a falar o nome da MARCA e ele pegou facilmente.
Isso mostra que temos que ser o mais concreto com eles , abolindo as abstrações.
Voltando ao cumprimento, sorria com sinceridade quando o fizer à um autista , essa expressão concreta eles vão entender.
Grande beijo Lídia.
Ray do site www.arteautismo.com

Pata Negra disse...

Testemunho: não! não temo país nem sociedade para os autistas porque, afinal, temos um país de decisores e eleitores autistas!
Um abraço a ver o que se passa à nossa volta

C Valente disse...

Qero agradecer o poema que me foi dedicado e desejar um bom fim de semana
Saudações amigas

Carminda Pinho disse...

Lídia,
vivemos num País de gente "autista", minha querida.
Quanto ao autismo (doença), não sei de nenhuma informação que me leve a concluir qual a percentagem de afectados.

Obrigada pela poesia que deixou no meu blog.
Beijos

amigona avó e a neta princesa disse...

Querida Lídia, agora é que são elas!!! Sinto-me muito pequenina nestes debates, quando não tenho resposta para a maioria das questões...sei que este "mundo" é um mundo onde - como em tantos outros - o AMOR é a peça chave! A minha experiência de vida é muito pobre nesta matéria. Nunca convivi com nenhum aluno autista...se tivesse acontecido sei que iria tentar "pular" para o seu lado, tentar compreender,aceitar e amar!
Mas sinto que estas famílias devem ter muitos problemas. Tenho acompanhado esta realidade através do Jorge e às vezes fico sem saber que pensar ou dizer...se alguém nos pode dizer um pouco mais é ele! Aprendamos com a sua experiência, a sua dedicação, o seu Amor! Um abraço querida amiga...

amigona avó e a neta princesa disse...

Não sei o que me deu! Ando a chamar Jorge ao Mário Relvas!!! Fica o reparo!!!

tagarelas-miamendes disse...

Lidia,
Vim agradecer o lindo poema que me deixou de Eugenio de Andrade. Que por acaso vivia na minha linda cidade e que muitas vezes vi nos seu passeios pela Foz.E' um dos meus poetas preferidos. Obrigada.
O seu Post, como sempre muito bem elaborado, vem mais uma vez mexer na ferida, onde ela doi mais. As faltas de apoio as familias que vivem estes grandes problemas. O nosso Estado sempre, em qualquer epoca historica, falhou nos seus deveres sociais. E' uma pena porque a solidez de um Estado passa pela seguranca dos seus cidadaos.
O autismos e' sem duvida uma doenca que pouco se sabe sobre ela e que por vezes se consegue vencer. Eu tenho um amigo do meu filho, cujo o irmao e' autista, mas que tem feito progressos incriveis, ao ponto de frequentar a escola e praticar desportos de competicao. Continua a nao gostar de contactos fisicos e a evitar olhar-nos de frente. Mas fez imensos progressos nas relacoes com os outros. O problema e' que cientificamente ninguem sabe como se conseguem estes sucessos.

M.M.MENDONÇA disse...

O autismo é uma fortaleza inexpugnável tanto a nível de opinião pública como a nível de conhecimento.
A primeira imagem que me ocorre é a do Rain Man mas tudo me faz confusão porque se fala muito pouco sobre o assunto. Será que os casos que existem em Portugal são meramente residuais?
Estou expectante em relação ao tema que irei acompanhando com todo o interesse.

René disse...

O autismo tem merecido das entidades oficiais, e mesmo da comunicação social, uma atenção muito reduzida.
Poucas pessoas poderão, com propriedade, pronunciarem-se sobre um assunto ainda muito reservado a investigadores, familiares de autistas e pouco mais.
Verifico, pelos vários comentários que, à excepção dum deles que fala com conhecimento de causa, todos os outros manifestam o seu desconhecimento.
É grave constatar-se isso tanto mais que alguns dos que desconhecem já se identificaram como professores.

Mary disse...

O que é ser autista? Quantos autistas vivem em Portugal? Que cuidados requerem?
Desconheço tudo isto. Sei que não comunicam e pouco mais.

São disse...

O autismo é uma grave perturbação que isola quem o tem e que é uma carga pesadíssima para a família, nos casos mais graves.
Relativamente ao caso presente, estou esperando resposta ao contacto que fiz várias vezes no sentido de me voluntariar para aquilo que são as minhas possibilidades.
Bem hajas pela divulgação destes espinhosos casos, amiga!

O Profeta disse...

O Sol abandonou o céu
A Lua ironiza no celeste
Soltas perversas vontades
Cruzam a tua vida agreste


Convido-te a partilhar a minha visão da forma em
como a vida às vezes é perversa para algumas mulheres…

Bom fim de semana

Doce beijo

Templo do Giraldo disse...

O blog do silencio culpado está sempre solidario com estes casos e ainda bem. Ainda existem pessoas de bom censo e com vontade de ajudar quem realemente precisa.

O autismo é um assunto complexo pois uma pessoa nunca sabe como lidar com um caso de autismo, embora saiba que eles nos compreendem a resposta deles pode não ser muito favoravel ao nosso pensamento.

Saudações.

herético disse...

belas sempre. as causas que defendes.

grande abraço

Sheila disse...

"É uma alteração cerebral que afeta a capacidade da pessoa se comunicar, estabelecer relacionamentos e responder apropriadamente ao ambiente. Algumas crianças apesar de autistas apresentam inteligência e fala intactas, outras apresentam também retardo mental, mutismo ou importantes retardos no desenvolvimento da linguagem. Alguns parecem fechados e distantes outros presos a comportamentos restritos e rígidos padrões de comportamento. Muitas das pessoas que sofrem de autismo vivem num "mundo" à parte, interagindo com coisas que eles imaginam. É como que criassem o seu próprio mundo."
Esta é a definição da Wikipédia e que dá para compreender o mundo complexo em que mergulhamos quando falamos de autismo.
Fico a aguardar desenvolvimentos.

david santos disse...

Olá!
Como estou agora longe e não me é possível estar mais amiúde com os amigos, eu passei para te desejar um bom fim-de-semana.

SILÊNCIO CULPADO disse...

António Almeida
Uma viagem ao mundo autista é, sem dúvida, uma viagem fascinante por se tratar dum mundo pouco conhecido e multifacetado.
Exemplos, histórias e testemunhos, irão sendo apresentados. Tal como a nossa realidade que será exposta nos posts finais.
Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Sílvia
Como professora esta realidade deverá estar na rota dos teus interesses e conhecimentos.
É preciso que os professores estejam motivados para a diferença e para o ensino especial, que ganha cada vez mais pertinência, à medida que a realidade nos mostra que as diferenças existem e que há grupos que requerem um tratamento específico.
Bjs

SILÊNCIO CULPADO disse...

Louise
Fernanda & Poemas
Guardião
Michael
C.Coelho
Abel Marques
Mary
René M.M.Mendonça

Quando verifico que, aqui no mundo virtual, os meus visitantes afirmam maioritariamente que desconhecem o autismo, apercebo-me do longo caminho a percorrer para a integração e aceitação dos autistas num País que não está preparado para a diferença.
Um País que não sabe explorar a diferença como uma riqueza pela diversidade dos contributos que proporciona.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

SONIA
Que bom ter-te aqui. Ajudarás a enriquecer este debate onde apresentarei um caso fascinante dum garoto brasileiro cuja mãe luta com as maiores dificuldades para o reconhecimento da realidade do seu filho que vive de forma isolada a sua diferença.
Beijinho

SILÊNCIO CULPADO disse...

O DAS CALDAS
Bem-vindo do Silêncio Culpado.
Fico contente por saber que visitou o Aromas de POrtugal, um blog fantástico, dum pai fantástico, que luta com denodo pelo seu filho autista, hoje com 20 anos, num País em que esta diferença, como muitas outras, encontra um sem número de escolhos e dificuldades.
Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

ARTE AUTISMO - RAIMUNDA
É com muito orgulho que te tenho aqui connosco, mãe coragem.
O próximo post vai ser dedicado ao teu Filipe e, por isso, não vou opinar sobre o teu comentário.
Beijinhos

SILÊNCIO CULPADO disse...

OLHOS D EMEL
Minha querida, autismo é uma doença e nós vamos falar sobre ela de forma aberta e, certamente, compreenderás o mundo rico que ela nos revela.
Beijinhos

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pata Negra
Carminda Pinho

O nosso País é realmente um país de autistas mas uma coisa são os autistas no sentido figurado e outra a patologia em si.
Vai ser interessante perceber como se articula um doente do autismo numa sociedade autista que já é autista para as realidades que se inscrevem nos padrões normais quanto mais para estas.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

C.Valente
Profeta
Herético
David Santos

Obrigada pela vossa visita que é sempre muito querida deste espaço.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

tagarelas-miamendes

Fiquei fascinada com o que me diz do irmão desse seu amigo do seu filho. Muito gostaria de saber mais pormenores sobre esses resultados fascinantes.

"... tem feito progressos incriveis, ao ponto de frequentar a escola e praticar desportos de competicao. Continua a nao gostar de contactos fisicos e a evitar olhar-nos de frente. Mas fez imensos progressos nas relacoes com os outros. O problema e' que cientificamente ninguem sabe como se conseguem estes sucessos."

Espantoso

SILÊNCIO CULPADO disse...

Templo do Giraldo

O vosso espaço também é um espaço solidário como o são todos os que contribuem para o esclarecimento e aceitação.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

AMIGONA
Olha minha querida eu confesso-te que sobre o assunto muito pouco sei. Mas são estes temas, sobre os quais existe uma grande penumbra, que eu considero importante debater.
Do ponto de vista pessoal obrigam-me a pesquisas e a aprender sobre realidades que devo compreender para ser menos incompleta como ser humano.
Por isso não receio estes desafios embora, por vezes, não me sinta à altura deles.

Beijinhos

SILÊNCIO CULPADO disse...

SÃO
Tu és uma mais-valia para todas estas circunstâncias não só pela mulher generosa que és como pelo teu curriculum na área do ensino e da formação.Pessoas como tu são imprescindíveis.
Beijinhos

SILÊNCIO CULPADO disse...

Sheila
Obrigada pelo esclarecimento e vai continuando a ajudar-nos nos debates que se seguem e que se revestem de alguma complexidade.

Beijinhos

JOY disse...

Olá Lidia,

Excelente post sobre um assunto que penso nos escapa um pouco a todos, este post tem o plus de ficarmos a conhecer um pouco melhor do que é ser Autista.

Abraço forte para ti amiga
Joy

Joseph disse...

Lídia/Silêncio
Realmente sinto-me também muito por fora do que é ser autista.
Lendo os posts e os comentários acho que fiquei menos ignorante.
Um abraço minha querida amiga

Mac Adriano disse...

Se o autista sobreviver à morte dos familiares, com os pseudo-autistas que tomaram de saque o país, está bem lixado, perdoe-se-me a expressão.

Robin Hood disse...

O que acontece a um autista, com síndroma profundo, depois da morte dos familiares? Quais os apoios que o nosso Reino concede aos autistas e respectivas famílias?

Silvia Madureira disse...

Lídia.

Sem dúvida que este é um assunto que me desperta a curiosidade. Isto enquanto professora, possível mãe...

Irei contactar a minha amiga para saber como decorreu o seu contacto com o aluno autista. Ela estava um pouco assustada.

Na realidade...um professor não recebe formação para lidar com estes casos...talvez devesse receber...

Na verdade, a capacidade de lidar com estas diferenças e outras...sai do coração do professor...

Por isso é que digo que para se ser bom professor tem que se ser muito sensível.

Lídia se pretenderes depois exponho aqui o testemunho da minha colega que pode ajudar muitos professores e mães deste país.

beijo

SILÊNCIO CULPADO disse...

Sílvia
Se conseguires esse testemunho manda-me por mail e eu faço um post. Mesmo que não seja passado directamente contigo o facto de seres professora é bastante importante.
Vou fazer vários posts mostrando diversas realidades em diferentes perpectivas.
O próximo post será dedicado à Raimunda, uma mãe brasileira e um caso apaixonante.
Beijinhos

SILÊNCIO CULPADO disse...

Robin Hood
Esse é outro dos problemas que carecem ser debatidos. O que é que acontece a uma criança, jovem ou adulto autista quando perde os familiares que o apoiam.
Bjs

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mac Adriano

Pois aí é que temos a cerne da questão: que apoios e oportunidades para os diferentes, nomeadamente os autistas?

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

JOSEPH
Realmente sabe-se muito pouco sobre o autismo. Eu sabia (e continuo a saber) muito pouco. Mas estou a aprender.

um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

JOY, meu amigo, esta é uma causa que precisa de todos os apoios. Uma causa para também abraçarmos de alma e coração.

Um abraço

Teresa Durães disse...

onde trabalho existem autistas que fazem o seu trabalho. é impressionante que quando se integra as pessoas no seu lugar de vivevr, todos conseguimos andar a par uns com os outros

herético disse...

abraços. excelente as tuas causas...

Mário Relvas disse...

Lídia "Silêrncio",

agradeço o seu texto, o seu link ao Aromas de Portugal, aqui e no Sidadania.

Estive ausente este fim-de-semana e só agora abri o computador.

"O Autismo é definido como “uma desordem neuro-desenvolvimental caracterizada pelo enfraquecimento nas relações sociais, linguagem, e pela presença de um comportamento repetitivo e estereotipado."

Voltarei
saudações e um sorriso

SILÊNCIO CULPADO disse...

Teresa Durães
Todos diferentes e todos iguais. Todos pertencemos à grande família humana. Há que saber integrar, compreender e valorizar as diferenças.
Bjs

SILÊNCIO CULPADO disse...

Herético
Obrigada pela tua visita.
Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mário Relvas
Amigo, a tua presença é indispensável para uma informação que se impõe sobre o autismo.
Poucas pessoas sabem realmente do que se trata, o que é, os problemas que envolve.
Um abraço e um sorriso

amigona avó e a neta princesa disse...

Passei para deixar um abraço de solidariedade...

AJB - martelo disse...

por que será que os temas mais sérios são tambem os mais dolorosos?...

não podemos esconder como a avestruz...na solidariedade encontra-se o maior apoio.

bj

Mário Relvas disse...

O Autismo é algo do "outro mundo" porque não há ninguém preparado para o receber quando acontece a um filho, a um familiar. Com paciência, com altruismo e amizade podemos encontrar a beleza do autismo.Sim, há beleza nos autistas.O que não tem beleza alguma é o sistema não estar minimamente preparado para lidar com eles.
É preciso uma rede de diagnóstico a funcionar a nível nacional.

É preciso formação aos técnicos e docentes que se vêm com eles nos braços...

É preciso que se selecionem professores/educadores para estas tarefas com sentido humanista e gosto por este trabalho.Não porque ganhem mais uns tostôes e façam menos horas.

É preciso uma rede nacional de apoio de rectaguarda aos pais, para que posaam distrair-se sem preocupações maiores, para que possam exercer a sua actividade profissional.Para que se sintam integrados.

É preciso que todos os equipamentos da Segurança Social e do ME tenham um método de trabalho/ensino universal e consentâneo com os padrões mais modernos que existem no mundo civilizado. Precisam de formação.

É preciso que os médicos e terapeutas não caminhem pelo mais fácil: a medicação e autenticas pedras que se dão aos meninos/jovens/adultos.

É preciso terapia da fala. Apoio psicológico para eles e também para os pais, de modo a desenvolverem uma acção conjunta.

É preciso que os governantes saibam o que os pais sentem e os ouçam sobre o Autismo.Ninguém sabe tanto do autista como os pais presentes e que se dedicam à causa.
É preciso que os técnicos sintam que isto não se aprende nas universidades apenas. Caso contrário seria tudo muito fácil.

Há mais...mas deixo-vos esta achega.

saudações e um sorriso

Mário Relvas disse...

Quando falo nas pedras -medicação- é preciso ver que o estado suporta com custos elevadíssimos os cacetes que são estes medicamentos, de risperdona e outros.É necessário dar medicação em casos específicos. Não generalizar, muito menos abusar.

Recordo que no estrangeiro me disseram, que se alguém tivesse que tomar calmantes ou neurolépticos seriam os pais...
A estes jovens só prescreviam tónicos e complexos de vitaminas para melhoria do cérebro.

Todos queriamos que os nossos filhos ficassem calminhos.Mas não pode ser à custa de sudação.Tem que ser pelo entretinimento e pela vida normal que deveriam fazer, correr, saltar, gastarem energia e cansarem-se...

A medicação quando tomada deve-se ter muito cuidado com o aumento da posologia.A habituação a isso leva.No entanto, eu nunca mais aumentei a medicação que o meu filho toma há noite. Foi-me sugerido, mas não o aceitei.Procurarei diminui-la, a seu devido tempo, uma vez que toma a mesma quantidade há muito.

É preciso fazer exercício físico.Dá-lhes autonomia e ficam cansados naturalmente, sem necessidade de mais remédios.

Se adoecermos, se morrermos, terão que ser sedados?Até morrerem?Irão para onde?

Opiniões.Aguardo as vossas

saudações e um sorriso

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mário Relvas
Estes comentários irei transcrever em futuros posts porque é fundamental conhecer-se bem do que se está a falar quando se fala de autismo.
Estes comentários são de quem fala com profundo conhecimento de causa e, por isso, contribuem, de forma decisiva, para o esclarecimento e para procedimentos adequados daí resultantes.
Um abraço e um sorriso

Mário Relvas disse...

Se o fizeres vai buscar ao aromas o meu comentário ao teu texto.Está um pouco mais completo e merece perguntas para se poder dar desenvolvimento.

saudações e um sorriso

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mário Relvas
OK.
Toda a informação é pouca porque, como vês, há muita dúvida sobre o tema.

Um abraço e um sorriso

MR disse...

Olá, estou um pouco por fora nesta altura.O debate está interessante.

Como correu a op do teu filhote?

saudações e um sorriso

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mário Relvas
Obrigada pela tua preocupação. Filho dá sempre canseira quando não é por um motivo é por outro.
A cirurgia correu bem e foi colocada mais uma rede de reforço a outra rede que já tinha sido colocada há um ano e dois meses. Há uma grande fragilidade de tecidos. É isso que me preocupa de sobremaneira.
Fiquei com ele na clínica pois a minha nora tem que dar assistência ao meu neto que tem 2 anos.

Um abraço e um sorriso e um beijinho ao Bruno

MR disse...

É só para te dizer que o link aponta suspenso:

http://directorio.universolusofono.net/