.



O DIREITO À DIFERENÇA. SER BIPOLAR



AJUDE-NOS A CONHECER O MUNDO DOS BIPOLARES. ENVIE UM TEXTO PARA SER PUBLICADO NO SILÊNCIO CULPADO. lnsoares@aeiou.pt



Estima-se que, actualmente, existam cerca de 600 mil doentes bipolares em Portugal.

Esta doença, caracterizada por uma falha na estabilidade da transmissão de impulsos nervosos ao cérebro torna, os seus portadores, mais vulneráveis a situações de stress físico e emocional e ocasiona-lhes alterações extremas de humor.

Apesar de apenas 1% dos portadores desta patologia a possuírem sob a forma mais grave que é o da doença bipolar 1, Luísa Figueira, vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental estima que 20% dos portadores da doença tenham tentado o suicídio.

Os bipolares são, frequentemente, estigmatizados e marginalizados por uma sociedade mal informada cujos valores se associam, cada vez mais, aos estereótipos e padrões das sociedades de consumo, sempre mais frias e individualizadas na forma como segregam e como se isolam dos problemas que consideram não lhes dizer directamente respeito.

Esta viagem pelo mundo bipolar, objecto de recolhas e de contributos, tem por objectivo alertar para os problemas sociais associados à patologia e conhecer um pouco mais desta realidade que respeita a cerca de 6% dos portugueses.

Diário de um Bipolar

73 comentários:

AJB - martelo disse...

para quem sofre é muito mau e para quem se "importa" com eles, mas para a I. farmaceutica são um maná...

Mário Relvas disse...

Doença bipolar, um tema interessante a debater. Anteriormente chamada de Doença Maníaco-Depressiva.
Uma mistura de depressão e mania.Altos e baixos intercalados.

Mudar de opinião não significa ser bipolar. Bipolar é aquele que é eufórico perante uma situação e posteriormente perante uma situação igual é negativista.Extremos que levam a tomadas de posição inversamente proprcionais e um quadro clínico bastante comum na sociedade.
Hoje sonham ser o rei da Pérsia, amanhã sentem-se fragilizados e podem sentir-se o tapete mais pisado que há...
Devem ter cuidado em não tomar decisões nos momentos extremos, mas parecem não dar por isso.

Um bom tema.
Voltarei.

Saudações e um sorriso

Mário Relvas disse...

Fui buscar isto para ajudar ao debate:





1 - O QUE É A DOENÇA BIPOLAR?
(Doença Maníaco-Depressiva)

A Doença Bipolar, tradicionalmente designada Doença Maníaco-Depressiva, é uma doença psiquiátrica caracterizada por variações acentuadas do humor, com crises repetidas de depressão e «mania». Qualquer dos dois tipos de crise pode predominar numa mesma pessoa sendo a sua frequência bastante variável. As crises podem ser graves, moderadas ou leves.
As viragens do humor, num sentido ou noutro têm importante repercussão nas sensações, nas emoções, nas ideias e no comportamento da pessoa, com uma perda importante da saúde e da autonomia da personalidade.

2 - QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA DOENÇA BIPOLAR?
(Definem-se os que caracterizam cada tipo de crise)

MANIA

O principal sintoma de «MANIA» é um estado de humor elevado e expansivo, eufórico ou irritável. Nas fases iniciais da crise a pessoa pode sentir-se mais alegre, sociável, activa, faladora, auto-confiante, inteligente e criativa. Com a elevação progressiva do humor e a aceleração psíquica podem surgir alguns ou todos os seguintes sintomas:

* Irritabilidade extrema; a pessoa torna-se exigente e zanga-se quando os outros não acatam os seus desejos e vontades;
* Alterações emocionais súbitas e imprevisíveis, os pensamentos aceleram-se, a fala é muito rápida, com mudanças frequentes de assunto;
* Reacção excessiva a estímulos, interpretação errada de acontecimentos, irritação com pequenas coisas, levando a mal comentários banais;
* Aumento de interesse em diversas actividades, despesas excessivas, dívidas e ofertas exageradas;
* Grandiosidade, aumento do amor próprio. A pessoa, pode sentir-se melhor e mais poderosa do que toda gente;
* Energia excessiva, possibilitando uma hiperactividade ininterrupta;
* Diminuição da necessidade de dormir;
* Aumento da vontade sexual, comportamento desinibido com escolhas inadequadas;
* Incapacidade em reconhecer a doença, tendência a recusar o tratamento e a culpar os outros pelo que corre mal;
* Perda da noção da realidade, ideias estranhas (delírios) e «vozes»;
* Abuso de álcool e de substâncias.



DEPRESSÃO

O principal sintoma é um estado de humor de tristeza e desespero.

Em função da gravidade da depressão, podem sentir-se alguns ou muitos dos seguintes sintomas:

* Preocupação com fracassos ou incapacidades e perda da auto-estima. Pode ficar-se obcecado com pensamentos negativos, sem conseguir afastá-los;
* Sentimentos de inutilidade, desespero e culpa excessiva;
* Pensamento lento, esquecimentos, dificuldade de concentração e em tomar decisões;
* Perda de interesse pelo trabalho, pelos hobbies e pelas pessoas, incluindo os familiares e amigos;
* Preocupação excessiva com queixas físicas, como por exemplo a obstipação;
* Agitação, inquietação, sem conseguir estar sossegado ou perda de energia, cansaço, inacção total;
* Alterações do apetite e do peso;
* Alterações do sono: insónia ou sono a mais;
* Diminuição do desejo sexual;
* Choro fácil ou vontade de chorar sem ser capaz;
* Ideias de morte e de suicídio; tentativas de suicídio;
* Uso excessivo de bebidas alcoólicas ou de outras substancias;
* Perda da noção de realidade, ideias estranhas (delírios) e «vozes» com conteúdo negativo e depreciativo;

Por vezes o/a doente tem, durante a mesma crise, sintomas de depressão e de «mania», o que corresponde às crises MISTAS.

3 - QUANTO TEMPO DURA UMA CRISE?

Varia muito. A pessoa pode estar em fase maníaca ou depressiva durante alguns dias, ou durante vários meses. Os períodos de estabilidade entre as crises podem durar dias, meses ou anos. O tratamento adequado encurta a duração das crises e pode preveni-las.

4 - É POSSÍVEL PREVER AS CRISES?

Para algumas pessoas, sim. Umas terão uma ou duas crises durante toda a vida, outras pessoas recaem repetidas vezes em certas alturas do ano (caso não estejam tratadas!). Há doentes que têm mais do que 4 crises por ano (CICLOS RÁPIDOS).

5 - EM QUE IDADE SURGE A DOENÇA?

Pode começar em qualquer altura, durante ou depois da adolescência.

6 - QUANTAS PESSOAS SOFREM DA DOENÇA BIPOLAR (Maníaco-Depressiva)?

Aproximadamente 1% da população sofrem da doença, numa percentagem idêntica em ambos os sexos.

7 - QUAL A CAUSA DA DOENÇA?

Há vários factores que predispõem para a doença, mas o seu conhecimento ainda é incompleto.
Os factores genéticos e biológicos (na química do cérebro) têm um papel essencial entre as causas da doença, mas o tipo de personalidade e os stresses que a pessoa enfrenta desempenham também um papel relevante no desencadeamento das crises.

8 - DEPOIS DE UMA CRISE DE DEPRESSÃO OU MANIA
VOLTA-SE AO NORMAL?

Em geral, sim. No entanto, devido às consequências dramáticas que as crises podem ter, no plano social, familiar e individual, a vida da pessoa complica-se e perturba-se muito, restringindo de forma marcante a sua capacidade de adaptação e autonomia.
O tratamento adequado para a prevenção das crises (se são graves e/ou frequentes) é essencial para evitar os muitos riscos inerentes à doença.

9 - HÁ TRATAMENTO PARA AS CRISES E PARA A DOENÇA BIPOLAR?

Não há nenhum tratamento que cure a doença por completo. No entanto, há grandes possibilidades de controlar a doença, através de medicamentos estabilizadores do humor, cuja acção terapêutica diminui muito a probabilidade de recaídas, tanto das crises de depressão como de «mania». Os estabilizadores do humor são a Olanzapina, a Lamotrigina, o Valproato, Carbonato de Lítio, Quetiapina, Carbamazepina, Risperidona e Ziprasidona.
As crises depressivas tratam-se com medicamentos ANTIDEPRESSIVOS ou, em casos resistentes, a elecroconvulsivoterapia. As crises de mania tratam-se com os estabilizadores do humor atrás referidos e com os medicamentos neurolépticos ANTIPSICÓTICOS.
Naturalmente, o apoio psicológico individual e familiar é um complemento indispensável para o tratamento.
As crises graves obrigam a tratamento hospitalar em muitos casos.

10 - PORQUE É TÃO IMPORTANTE A CONSCIENCIALIZAÇÃO DOS DOENTES, DOS FAMILIARES E DE OUTRAS PESSOAS SOBRE A DOENÇA BIPOLAR?

A noção de doença mental na opinião pública é, em geral, muito confusa e pouco correcta. Verifica-se uma tendência para considerar negativamente as pessoas que sofrem de doenças psiquiátricas e é frequente a ideia de que as doenças mentais são qualitativamente diferentes das outras doenças. É muito comum imaginar que há uma «doença mental» única («a doença mental»), atribuindo às pessoas que tenham sofrido crises, um prognóstico negativo de incurabilidade, aferido erradamente pelos casos de doentes mentais mais graves e crónicos. Por vezes o diagnóstico médico das diferentes doenças psiquiátricas não se faz na altura própria, por variadas razões, e isso acontece, com alguma frequência, na Doença Bipolar.
O conhecimento, mesmo que simplificado, das características da Doença Bipolar facilita a seu reconhecimento aos próprios (que a sofrem) e aos outros, possibilitando uma maior ajuda a muitas pessoas que carecem de um tratamento médico adequado e de uma solidária compreensão humana.

In ADEB -Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares

Tiago R. Cardoso disse...

Um interessante tema a debater, muito bem.

Vieira Calado disse...

Antigamente, este tipo de doenças, era considerado obra das bruxas, gente analfabeta ou quase.
Hoje as bruxas são outras.
A verdade é que há muita ignorância acerca de muita coisa que nos rodeia.

Beijinhosss

Odele Souza disse...

Querida Lídia,

Um tema interessante sobre o qual terei muito a aprender com esta tua postagem. Obrigada por esta oportunidade.

Um abraço.

Sophiamar disse...

Como sempre, um tema muito interessante a debater. São cada vez mais o número de doentes bipolares. O stress ém que vivemos, traz-nos tudo.

Beijinhosss

amigona avó e a neta princesa disse...

Viver com um bipolar é uma aventura constante...dar-lhe o nosso carinho e apoio não é nada fácil, principalmente na fase em que ele próprio não aceita que é bipolar...a vida tem constantes altos e baixos e é um sofrimento MUITO grande!
Penso que apesar dos avanços ainda há um caminho longo a percorrer...estarei atenta ao desenrolar dos comentários...beijinhos Lídia...

Zé do Cão disse...

Querida amiga, não tenho entrado com qualquer opinião porque como em outras coisas sou um 0 à esquerda. Nem sequer sabia da existencia de tal doença. É o que faz ser um "vulgar".
Permite-me dar-te um beijo grande e acreditar que algo se fará para amnizar os males de quem sofre.

Mário Relvas disse...

Olá Lídia,
um facto comum entre este post e o anterior:o divórcio!
Os bipolares levam ao divórcio com as suas crises.
Espero mais desenvolvimentos em comentários.
Saudações e um sorriso

Isabel-F. disse...

Olá Lídia,

Bom dia ...

Não sabia que hoje esta doença se chamava "doença bipolar"...

sempre a conheci por psicose maníaco-depressiva ...

depois de ter lido um livro, uma história veridica, interessei-me (dentro dos meus limites ... claro...) pela doença ... o livro de que falo é de Danielle Steel, uma escritora norte-americana, chama-se o Meu Filho Nick (que acabou por se suicidar) ....

daquilo que "aprendi"... estes doentes têm falta de um químico no organismo .... o lítio .... se lhes forem administradas as doses em falta de lítio ... as suas "variações de humor" ... poderão ser relativamente controladas ....

beijinhos

Mário Relvas disse...

Olá Isabel, vou aproveitar para trocar aqui uma opinião.Está bem "Silêncio"?

o Aromas de Portugal linka blogs e sites ligados directa ou indirectamente ao autismo.
Só por isso é que não consta lá o teu magnífico blog...
Mas mesmo eu não tendo ali qualquer referência sobre o meu blog, ficas a saber que te visitarei sempre que puder, tal como visito outros que deslinkaram o aromas.

Não sou carneirista e não sinto qualquer obrigação de aceitar tudo o que alguns me transmitem.Poderei discordar, mas livremente digo porquê.

Há pessoas que me visitam com um link e não o fazem com o seu original.
Coisas...
Fica bem e isto não é um desabafo, nem doença bipolar... eh..eh
É a minha opção!

Saudações e um sorriso

SILÊNCIO CULPADO disse...

Martelo
São um maná para a industria farmaceutica e um problema delicado para as famílias que deveriam poder dispor de aconselhamentos especializados para saberem como lidar com estas situações.
É que não é fácil!...
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mário Relvas
Obrigada pelo teu contributo & contributo que dão matéria para reflexão e debate que, embora possa não responder a todas as perguntas que se colocam, pelo menos permitem-nos desconhecer menos uma realidade com um peso expressivo na população portuguesa.

Um abraço e um sorriso

SILÊNCIO CULPADO disse...

T.Cardoso
Obrigada pela visita.Espero que da troca de opiniões resulte um esclarecimento que nos ajude a lidar melhor com a diferença.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Vieira Calado
É verdade, amigo, a ignorância é o grande mal que nos leva à intolerância com todos os danos daí provenientes.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Odele Souza
A grande aprendizagem vem dos contributos que se reunam e da qualidade do debate que se estabeleça. Como em tudo na vida só com o diálogo e a reunião de diferentes pontos de vista se aprende e se cresce.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

SOPHIAMAR
Não sei se há mais doentes ou se aprendemos a olhar a doença com outros olhos. Recordo ter lido um trabalho científico sobre lobisomens (alguns foram queimados na fogueira como seres demoníacos).
Pois esse estudo revela que a causa de certos comportamentos aparentemente paranormais estava num fungo de cor escura que aparece muitas vezes no centeio e que tem efeitos alucinogéneos idênticos ao LSD. Esses efeitos variam de pessoa para pessoa mas, nalgumas, eram verdadeiramente alucinantes levando-as a actos que elas próprias não entendiam. Chegou-se a estas conclusões através da procura de regularidades e traços comuns entre os portadores da "anormalidade".
Só o conhecimento é redentor. Por isso procuro, através de trocas de opinião neste espaço, ser menos ignorante e contribuir também para que outros se esclareçam.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Amigona
É uma aventura constante e já houve algumas respostas ao meu apelo de participação que nos falam de casos verdadeiramente emocionantes e que eu irei postando, respeitando embora o anonimato que a delicadeza dos assuntos requer.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé do Cão
Qual zero à esquerda qual carapuça. És um queridão que, felizmente, não és bipolar nem viveste algum caso com alguém próximo.
Ainda bem. Mas vai acompanhando e dizendo o que te parece. Tu sabes como fazê-lo.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mário Relvas
Tenho um relato para publicar exactamente sobre isso. Mas não quero tirar o impacto das postagens que se seguirão. para já o que é importante, e deste uma grande ajuda com a tua pesquisa, é irmos tomando contacto com a realidade.
Abraço

herético disse...

abraços.

que nunca a mão (nem a voz) te doam nas tuas causas.

Projetores disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Projetores, I hope you enjoy. The address is http://projetor-brasil.blogspot.com. A hug.

Pata Negra disse...

Conheço um caso no círculo de amizades! Tudo podia ser muito mais fácil se a sociedade - sempre a sociedade das pessoas - tivesse um pouco mais de sensibilidade, de informação e sociedade!
A Silêncio sempre ao lado a dar uma mão - um abraço com uma mão de reconhecimento

NuNo_R disse...

Bom tema para ser debatido.

Este blog cada vez mais nos ensina sobre determinadas materias que a sociedade cada vez mais regeita ou não quer saber...

A Bipolaridade aflige muita gente que a maioria das vezes não sabe que dela sofre e pensa que o stress e o cansaço sºão as culpas para tudo. e quando se sentem fragilizadas pouco há para as tentar motivar para a "vida".
O que lhes bats ainfa, são as alturas em que a euforia as invade e contrapoem os "baixos" que ão sofrendo.

Tenho algums tendências bipolares, bastante controladas por uma vontade enorme de viver e de me afirmar como ser humano que sou.

Bjs

António de Almeida disse...

-Mais uma doença que tenho um conhecimento limitado, e que vou procurar mais alguma informação por aqui.

São disse...

Minha querida, mais um tema importante .

Desta vez conheço-o por dentro.

Sugiro que quem estiver interessado no assunto contacte MANDRAG, que deu o seu testemunho pessoal num recente documentário transmitido na RTP e que podem encontrar no meu espaço.

Também podem consultar " BIPOLAR...OU MENTE PODEROSA"

Abraços.

Menina do Rio disse...

Não estamos nós caminhando pra isso? Vivemos num desgaste em que tudo é possível.

Querida, deixo-te um beijo e votos de uma boa semana

Mary disse...

Tive uma amiga bipolar. Andava sempre encharcada em comprimidos e sofria imenso.
Vou seguir com interesse o desenvolvimento do tema.
Bja

Arte Autismo e www.arteautismo.com disse...

Oi Lidia,
Se todos entendesse que tem direito as diferenças e não tivesse medo do os outros vão pensar se sou isso ou aquilo, o mundo iria muito melhor.
Quando eu era criança uns 10 anos tive síndrome do pânico, eu lembro que um dia fui para escola toda feliz porque sempre gostei de estudar e na aula senti uma crise de pânico violenta .
Depois desse dia eu ia para escola , mas não conseguia entrar, ficava sentada no meio fio chorando vendo todos entrar. Um dia tive que falar com minha mãe , que me levou ao médico, tomei uns calmantes. Com o tempo melhorei, mas vez de vez em quando voltava. Meus estudos foram muito sofridos, com aquele pânico me atacando e sufocando,consegui me formar com muito esforço!
Eu me sentia muito diferente de todas as pessoas e isso me dóia muito.
Eu sempre morei perto do aeroporto internacional Tom Jobim e quando via os aviões passarem eu pensava. Quero ser igual as pessoas daquele avião, livres como um pássaro, porque podem ir e vir sem medo.
Acho que foi por isso que entendi muito o que Filipe passava , o seu autismo.
Por fim meu pânico teve que ficar quieto porque meu amor por Filpe teve que ser mais forte que ele, para ajuda-lo.
Por isso eu creio que entender um bipolar , os seus dias , seus conflitos e sua dor é a melhor forma de ajuda-lo. Afinal como disse nosso cantor brasileiro,Caetano veloso: _ De perto nínguém é normal...
beijos
Ray

ABEL MARQUES disse...

Comprender o que cada um alberga no mais profundo de si não é tarefa fácil mesmo quando consideramos diferente devido a uma patologia que se pretende explicar.
A mente humana e todo o sistema neurológico tem muito de desconhecido mesmo para a ciência médica.
Julgo que um bi-polar não será propiamente um maníaco depressivo. O maníaco depressivo pode mergulhar anos numa angústia e ansiedade sem tréguas enquanto o bi-polar se caracteriza pelas alternâncias de humor e pela forma exacerbada de viver as emoções.

Abraço

M.M.MENDONÇA disse...

Lídia
Não é fácil ser bipolar nem ser diferente nestas sociedades modernas que tão bem descreves no texto que publicaste nos 7 Pecados Mortais.
Tudo o que não cai dentro da norma é desviante. Este é o selo do estigma.
As pessoas bi-polares revelam-se também egoístas exacerbadas em relação ao que chamam as suas dores e os seus afectos.
Martirizam até dizer chega com o seu sofrimento para depois amarem com um amor sufocante e absurdo que chega a ser pior que o martírio anterior.
É preciso dar atenção a estas pessoas com tratamentos adequados a nível psicológico e não apenas medicamentoso porque o que se pretende é pessoas que convivam saudavelmente com os outros e não pessoas drogadas com lítio e outras substâncias.
Abraço

Zé Povinho disse...

A nossa ignorância leva-nos a interpretações erradas, que em nada ajudam quem sofre deste mal. Um artigo oportuno, como vem sendo o timbre habitual deste espaço.
Abraço do Zé

Sheila disse...

A ignorância marginaliza, mata isola e faz regredir a humanidade. Estamos hoje menos ignorantes que há umas décadas atrás? Nalguns aspectos sim mas noutros não.Se por um lado os meios audio-visuais trouxeram muita informação por outro fixam as pessoas a alguma irracionalidade de pensamento que as impedem de interpretar a realidade que as cerca.
Temos a tendência de resolver as diferenças que se reportam à neurologia e psiquiatria metendo tudo no mesmo saco. Quem sofre de alguma doença neste âmbito é tido como maluco e anormal o que significa, nexto contexto, ser um ser inferior cujas opiniões e comportamentos resultam diminuídos aos olhos de quem os observa.
Bjs

Louise disse...

Lídia/Silêncio

O pior de tudo é o sofrimento que estas situações acarretam pela incompreensão de quem com elas lida e, naturalmente, não só.
Mas como podemos nós ajudar os outros neste compasso acelerado dum vaivém entre mil e uma obrigações do dia-a-dia?
Quem é que não precisa de ajuda nos tempos que correm? Quem é que é suficientemente forte para aguentar tanta contrariedade que se encontra em cada esquina, e dentro da própria casa, com tanta pressão e mecanização a que nos obrigam a vida moderna?

Abraço

Maria Clarinda disse...

Acrescento ao teu o meu Grito!
Um jinho

Oliver Pickwick disse...

Há bipolares geniais. Um dos maiores neuro-cirurgiões do meu estado - falecido há pouco, com quase noventa anos, era bipolar.
Desde que sigam as prescrições médicas, o convívio destas pessoas na sociedade é praticamente normal, fora algumas exceções.
Como sempre um assunto útil.
Um beijo!

Zé do Cão disse...

Estava a morrer de saudades de dar um beijão a esta grande mulher.

Amiga, amiga

O Árabe disse...

Sempre temas atuais e pertinentes, bem desenvolvidos. Continuas, amiga, a ter a minha admiração.

Michael disse...

Da Revista Ciência Hoje, retirei esta informação que me parece pertinente.
"Na investigação da Universidade de Edimburgo foram examinados cérebros de 20 pacientes com perturbação bipolar e outros tantos de voluntários sem a doença. Os resultados mostraram que há sempre, ao longo do tempo, perda de uma pequena quantidade de tecido cerebral, o que suporta a ideia de que a função cognitiva está debilitada nos pacientes bipolares de meia idade.

Mas a perda de massa cinzenta, onde os sinais nervosos são processados, é maior entre os doentes bipolares e, de entre estes, as maiores perdas foram registadas nos que sofreram mais episódios de euforia e depressão. O coordenador da investigação, Andrew Mcintosh, referiu que o estudo não mostrou se estas perdas são causa ou consequência da doença.

Por um lado, os repetidos episódios podem afectar o cérebro e levar ao enfraquecimento das funções cerebrais, mas por outro o stress e os factores genéticos podem provocar episódios mais frequentes e mais perda de cérebro, segundo o investigador. Além da euforia e depressão, a bipolaridade também pode provocar alucinações e aumenta o risco de suicídio."

Um abraço e continuação de bom trabalho

São disse...

Minha querida aqui tens os links:

http://mandragdelokmar.blogspot.com/ ( do lado direito, clicas em
Mandrag y Thén, de Lokmar)

Sérgio Figueiredo:
http://sf-mentepoderosa.blogspot.com/

Bem hajas, Lídia, pelo teu trabalho em prol de quem sofre!!

joshua disse...

Lídia, este teu blogue é espectacular e falar da bipolaridade (no meu caso, gosto de chamar ao problema polaroididade em homenagem à fotografia) é realmente meritório.

Tu só escreves sobre matérias meritórias. A São Banza só comenta meritoriamente matérias meritórias e a fabulosa Avó Amigona Neta Princesa, mulher tão sensível e sensata, um coração de ouro e de infinita generosidade igualmente te comenta fiel e obedientemente porque obedece à sua liberdade sem que ninguém tenha nada com isso.

E em face de tanto mérito, eu, enquanto Poeta de Rupturas de de grandes Sofrimentos estéticos e sensíveis, posso fazer o quê? Adorar-te também e também aplaudir-te. É o que estou a fazer justamente agora. Lídia, és um fenómeno português de sensibilidade e estás, mais uma vez de parabéns.

O Luís Santili é outro grande monstro do mérito e do meritório. Só tenho que vos aplaudir a todos pelo excelente, extraordinário trabalho. Se pudesse prostrar-me-ia por terra, a adorar-vos como a deuses, e beijaria o tapete vermelho por onde se espraia a vossa sabedoria e mérito e sentido humanístico e social e ético das coisas e dos problemas.

Aliás, escrevo mais, quem me dera que me viessem aclamar adorativos e aplaudir rendidos o meu trabalho poético, e me viessem ler competentemente, no meu blogue sofrido de sacrificado trabalho poético e literário, no meu blogue, o tal blogue escandalosamente humano, atemorizador e violento: sonho com ter centenas de comentários a aplaudir o facto de eu sofrer e angustiar-me muito com as humilhações do meu desemprego e agruras do meu emprego-biscate com humilhações dentro, como um brinde em cima da penúria prévia.

Queria, tenho esse direito!, que me aplaudissem também o sofrimento, a falta de dinheiro, a revolta pelo estado de coisas que não funcionam em Portugal, pela miséria moral, pela insensibilidade tanto à Língua Culta como às Pessoas Miseráveis e tornadas Miseráveis, e revolta denunciadora do espírito que com grande indiferença e insensibilidade política se promove miséria material e moral em Portugal.

Indo mais longe, além de te adorar delambida e prostradamente, Lídia, rendendo-me aqui e já em face do teu incontestável mérito e sentido humanístico, eu tenho profunda inveja de não ser assim consensual e aplaudido como tu. Sempre aplaudido. Só aplaudido. Muitos me odeiam. Tantos me contestam. Ninguém me aplaude como te aplaudem, Lídia. E sinto falta disso que só tu tens e mais ninguém.

Tens o toque de Midas.
Nasceste como o Mourinho, o qual como dizem a brincar os comentadores desportivos, tinha o cu voltado para a lua cheia mal nasceu. Tens sorte. Tens amigos. Conserva-los bem. Tens um maravilhoso rebanho dócil de boa gente, que muito estimo e respeito.

Adoro-te, Lídia.
Venho todos os dias aqui. Visito-te pelo menos duas vezes por dia e admiro esta massa fiel de bloggers que te adoram, como eu te adoro, que te rendem homenagem e adoração fiel, tal como eu, todos os dias, todas as vezes que tu quiseres. Isto é uma coisa que não poderás jamais desprezar.

Um abraço e viva a Bipolaridade, que é uma característica tão legítima e natural como a cor da pele.

PALAVROSSAVRVS REX

René disse...

Porque será que o estigma dói mais que a própria doença?
Tirei do site da ADEB o seguinte:
"A doença mental é com frequência relacionada com o mendigo que deambula pelas ruas, que fala sozinho, com a mulher que aparece na TV dizendo ter 16 personalidades e com o homicida “louco” que aparece nos filmes.
Palavras como “maluco”, “esquizofrénico”, “psicopata” e “maníaco”, são vulgarmente utilizadas na linguagem do dia-a-dia.
As pessoas olham-se e dizem: “Isto não me vai acontecer de modo nenhum, não sou maluco, venho de uma família sólida”, ou, então, “ a doença mental não me afecta, isso é problema dos outros.”

Isto é dramático e, por isso, torço para que os preconceitos caiam com o esclarecimento e a informação.

G.BRITO disse...

Muita gente tem medo de assumir a dor que vem de doenças ao nível do psiquíco.
Os bi-polares só recentemente assim são designados mas representam um drama humano oculto atrás de pesadas paredes.

Vou seguindo com muito interesse o desenrolar das opiniões.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Herético
E que eu possa contar sempre contigo para me acompanhares.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pata Negra
Concordo com tudo isso. E com mais que isso.
Também com um Estado à altura de ter respostas para os problemas concretos dos seus cidadãos.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Nuno
Ninguém pode viver as suas tendências colocando um garrote no seu sentir. Através da compreensão dos vários factores que estão em jogo, nomeadamente os patológicos, podemos encontrar o equilíbrio possível. Porém esse equilíbrio pode vir ferido pelo estigma que entretanto foi criado.
O post que irei publicar a seguir, duma crueza que mexeu comigo pela dor que encerra, vai, sem dúvida, contribuir para a nossa reflexão.
Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

ANTÓNIO ALMEIDA
Obrigada pela participação sempre atenta e frutuosa.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

SÃO
Pressinto em ti uma enorme capacidade de abordagem deste tema que é dificil e delicado.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

MENINA DO RIO
Enquanto houver pessoas capazes de questionar e de se unir, há sempre esperança que o caminhar para isso sofra um retrocesso.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

MARY
Obrigada. Fico expectante relativamente ao que possas dizer.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

RAY
O seu comentário é lindissímo.
Caetano Veloso diz: "de perto ninguém é normal". Isto diz tudo, Ray, em relação aos seus medos em relação ao autismo, em relação a tudo.
Por isso temos que aceitar a diferença como natural e amá-la tanto ou mais do que amamos a regularidade.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Abel Marques
Quer se queira quer não a mente humano, apesar dos avanços inquestionáveis da ciência nesta área, ainda continua a ter muitos enigmas.
Vamos ver como eles nos vão ser apresentados ao longo desta apresentação.

SILÊNCIO CULPADO disse...

M.M.MENDONÇA
O estigma e a ignorância são bem piores que as doenças em si. E é partindo dessa permissa que vou apresentando, numa sucessão de posts, casos que vão sendo questionados para que, através da sua interiorização caia o muro que nos separa deles.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé Povinho
Faz-se o que se pode no sentido do esclarecimento. Todos temos a aprender uns com os outros.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

SHEILA
É a informação que temos. Mais virada para o futebol, concursos e telenovelas.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

LOUISE
A alienação da sociedade de consumo em nada contribui para o desenvolvimento mas também está em nós não nos deixarmos ir na onda. Isto quando é possível, evidentemente.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Maria Clarinda
Grito acrescentado.
jinhos

SILÊNCIO CULPADO disse...

Oliver Pickwick
Há bipolares de, digamos, graus diferentes. E há valências em meios onde os recursos abundam que não se encontram noutros meios.
Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé do Cão
Venha esse beijão.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Árabe
Obrigada pela visita e pelas palavras.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Michael
Obrigada pela pesquisa e pela explicitação desse contributo.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

SÃO
És impagável, amiga e eu já lá vou a cada um deles.
Mil vezes obrigada

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Joshua
O teu comentário é imenso como o mar.Por mais que se mergulhe nunca se esgota e tem vários recursos e tonalidades.
Por isso, e porque quero comentar cada uma das vertentes nele expostas, vou fazê-lo em visita ao teu espaço de forma regular. Tá?
Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

René
O estigma dói mais que a própria doença. E se dói!... Por isso aqui estamos para acabar com ele.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

G.Brito
As pessoas têm medo de assumir a dor porque são segregadas. É isso que não pode acontecer.
Abraço

rogerio disse...

bom dia, muito boa esta comunidade. Gostaria de saber sobre alguns tratamentos existentes por ai, pois sou do brasil, sera que ja existe alguns medicamentos mais eficases para o tratamento de bi polaridade? minha sposa trata-se a alguns anos e agora ,depois da ultima crise de euforia, trata-se com assido valproico e risperidona.muito obrigado sepuderem enviar mail rogerioantunes@ymail.com

Ricardo Gonçalves disse...

Eu não tenho medo de admitir admito ainda que as minhas crises ja me levaram a 9 tentativas de suícidio, tenho apenas 22 anos e acreditem que isto é um pesadelo, ultimamente tenho mudado de tratamento pk o antigo ja não surte algum efeito, o proxximo passo sera a electroconvulsoterapia, espero nao ter de xegar a esse ponto, mas se tiver de ser irei aguentar e lutar. abraços a todos e a todos k sofrem desta doença digo apoiem-se nos verdadeiros amigos

Rafaela disse...

Bem, é a primeira vez que vejo este blog. É so para dizer que sei bem pelo que passamos quando alguem que amamos tem esta doença. A minha mae tem-na e acreditemque nao e nada facil. uma pessoa quer ajudar (ela so me tem a mim) mas por vezes nao conseguimos porque ela n deixa. Nao admita que precisa de ajuda e torna-se bastante dificil. Desde que me lembro teve 3 crises , e a ultima durou cerca de um ano. Tenho 19 anos e os meus pais divorsiaram-se em parte por causa da ddoença dela. nao e nada facil lidar com a doença...eu cheguei a ter medo da minha prpria mae...imaginam o que isso e? ela ficam num estado tal que parece uma psicopata....parece que esta possuida....mas nunca me fez mal.. É horrivel..mas ela sabe que tem a doença...no momento e que nao admite..mas quando esta bem sabe e quer tratar.se. Cheguei a passar um natal e ela estar internada...nao imaginam como é....so queria dormir para passar rapido a noite. E uma pessoa tem que ser dura com ela...sou "má" para ela e isso mata me por dentro.. Temos que ser duros porque se nao eles fazem de nos o que querem....faz chantagem emocional constantemente...bem é so...gostei que tivessem falado no tema e aproveitei para dar o meu testemunho...

Beijos

Ines disse...

alguém sabe se existe um blog ou algo privado onde pessoas com a mesma doença podem falar ?

Ana Ramos disse...

Cara inês,
Aconselho a ADEB Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares.
É uma associação presencial porque não se esqueça que um fórum de troca de ideias ou outro site qualquer com o mesmo intuito não é a mesma coisa que falar, conversar e expor os sentimentos com pessoas que nos entendem e nos podem ajudar.

Cmps
Espero que tenha sido util

Ana Ramos disse...

Em relação a todos os posts e comentários tenho a dizer que, sou bipolar e foi-me diagnosticado este transtorno aos 17 anos após dois internamentos e 7 tentativas de suicido numa fase depressiva. Até lá todos os médicos achavam que era uma fase depressiva devido á constante alteração hormonal efetivamente existente na adolescência e que iria passar. Hoje tenho 22 anos, namoro e tenho uma relação sólida, não são os bipolares que causam o divórcio é a falta de informação que a sociedade em geral dispõe, a falta de informação que os proprios bipolares diapões para saber que é necessário sere-se regrado com a medicação que é uma doença que se acaba por se aprender a lidar, etc., é a falta de apoio existente neste tipo de situações, é a falta de compreensão e aceitação por parte dos familiares e outros... Entre outras muitas coisas...

Ser-se bipolar não é fácil, aceitarmos que termos um problema não é fácil, mas acreditem que ver as pessoas que mais gostamos a sofrer por causa de nós é ainda menos fácil. Não "nos' estou a defender de qualquer forma, estou apenas a demonstrar que uma diacussão é feita de dois lados e que o bipolar, realmente, pode iniciar muitas mas só continua se a outra parte deixar.

Cmps
Espero que tenha me explicado bem

P.s. para quem quer entender o que é a bipolaridade sentida por um bipolar aconselho: livro - BIPOLAR de Terry Cheney

Rui e André Antao e Piolanti disse...

Para todos os que sofrem de transtorno bipolar, aconselho inscreverem-se na página de facebook https://www.facebook.com/groups/apoiobipolar/
Ali terão oportunidade de partilhar as vossas experiencias e audar outros que sofrem do mesmo transtorno em tempo real !!

Um abraço e força!
Andre