.



BARACK OBAMA - Interesses, perigos e expectativas





A eleição de Barack Obama ocorre num momento crucial na vida dos Estados Unidos num contexto mundial de crise económica e de insegurança de pessoas e bens.

A maior economia do mundo, e a sua influência e domínio, encontram-se no seu ponto mais baixo quer pelo fracasso dum neoliberalismo globalizado e selvagem, quer porque a guerra do Iraque, as denúncias sobre Guantánamo e a miséria social posta a nu pelo furacão Katrina, não deixaram margens para dúvidas quanto ao repúdio que foi criando nos quatro cantos do mundo.

Se, até então, subsistiram algumas tolerâncias que até permitiram que George W.Bush fosse reeleito, o somatório de afrontas aos direitos humanos a par da crise económica e social, se encarregaram de queimar o que restavam de ilusões.

Apenas aqueles que muito lucram com o que os outros perdem, podem continuar a defender um modelo, que se revelou frágil, mau grado o poderio da grande potência que procura navegar contra ventos e marés em situação de derrota anunciada.

Só um salvador poderia restituir, aos USA, a áurea de poder glória desbarata em guerras que, em nome de Deus e da razão, visam o poder e o petróleo causando a ceifa e o martírio de populações inocentes.

Assim, deste salvador esperam-se não mudanças radicais que ponham em perigo os grandes interesses, mas sim aquela feição humanista que arrasta multidões que não indagam os caminhos.

Obama reúne todos os ingredientes para ser eleito: não provém de nenhum grupo poderoso e a sua condição de afro-americano dá-lhe uma simpatia incondicional entre os negros discriminados (e que são ainda quase os únicos que dão filhos para os corredores da morte), tem um cariz de mudança sem se comprometer a mudar o essencial que sustenta o poderio dos Estados Unidos.
E, como se estas qualidades não bastassem, a imagem duma maior abertura e respeito pelos direitos humanos permitirá conquistar a Europa, também varrida pelos ventos da crise, e fazer a ponte com uma América Latina que surge ameaçadora num novo modelo político que, sem recorrer a execuções e à censura, vai implementando um socialismo que poderá vingar noutras partes do mundo.

Os embargos a Cuba, e as posições fracturantes da administração Bush, fecharam as portas ao diálogo criando o perigo das mesmas serem arrombadas, sem maiores dificuldades, à medida que as forças se restauram dum lado e seguem o declínio no outro.

Barack Obama foi pois desejado mesmo por aqueles que o odiavam. Por isso, o fenómeno Obama contém ingredientes contraditórios que irão colocar o novo Presidente perante arrojados desafios.

Dum lado tem todo um conjunto de expectativas que não pode defraudar, do outro tem todo um conjunto de interesses que deverá manter.

Vamos pois ficar a aguardar porque o ser humano é sempre uma caixinha de surpresas. Tal como Gorbachov introduziu na antiga URSS a perestroika, talvez o novo Presidente dos USA proceda a uma revolução cultural que não estaria na mente de todos os apoiantes e até nem mesmo dele próprio.

O comboio da governação adquire, em certos percursos, velocidades que não permitem hesitações e que obrigam a actos que surpreendem os próprios que os cometem.


99 comentários:

António de Almeida disse...

-Barack Obama foi eleito com apoios tão distintos e antagónicos que vão da extrema esquerda à extrema direita, até contou com grupos de apoiantes improváveis nos rednecks e alguns ex membros do KKK (nunca sabemos ao certo quem integra esta organização, apenas os que a ela afirmam ter pertencido). Eu que apoio Republicanos desde Reagan, e sim, apoiei W.Bush em 2000, estou com Obama desde as primárias do Iowa, embora aí ainda estivesse também com McCain, mas na hora de optar pela primeira vez escolhi um Democrata. Obviamente será impossivel que alguém não fique desiludido, mas quem? Julgo que nem Obama saberá ao certo, para já a sua preocupação é económica, as "exit polls" mostraram claramente que foi a economia que motivou e mobilizou as pessoas, os americanos estão-se nas tintas para o mundo, e mesmo para o Iraque. Existem indicações que Obama poderá pedir a R.Gates, actual secretário da Defesa para continuar no cargo, ao fazê-lo estará a enviar um sinal que não pretende alterar, pelo menos de forma radical a política militar, e por outro lado a agradar a um sector do Partido Republicano que o ajudou a elger. (Não esquecer apoios de C.Powell, Fukuyama ou Susan Eisenhower entre outros). Também será previsivel que se lembre que Bill Clinton, eleito em 92 após 12 anos de Republicanos na Casa Branca, procurou virar à esquerda, o que o levou a uma copiosa derrota em 94 no Congresso e no Senado. Convém recordar que chamar socialista a um vizinho na América, é considerado um insulto, e ninguém quer comprar inimigos, muito menos Obama. O mais certo será assistirmos a uma navegação à vista, continuidade das políticas actuais, afinal não mudaram os interesses da América, mas sem os erros, as gaffes, e tomadas de posição radicais de W.Bush, o que por si só, já não é pouco!

ManDrag disse...

Salve! Lídia
Não será fácil a vida governativa para Obama. Como disseste muitas expectativas pesam sobre ele. E nunca um governante foi um Santo Milagreiro.
Obama é a peça fulcral, mas é necessário que todas as restantes partes cumpram o seu papel.
Abraço.
Salutas!

O Guardião disse...

Esperemos que consiga levar por diante as ideias que apresentou aos eleitores e ao mundo, apesar das resistências que vai certamente enfrentar dentro de portas. O mundo terá a ganhar com a mudança anunciada.
Cumps

Marco Rebelo disse...

força obama :)

Marco Rebelo disse...

:) obrigado.mas vota na sondagem :)..gracias

Odele Souza disse...

Querida Lidia,

Que Barack Obama consiga botar em prática o que pregou em campanha. Eu simpatizo muito com ele e acho que poderá sim fazer um excelente governo. E tomara acabe com tantas coisas erradas que o seu antecessor deixou.

Um beijo Lidia.

martelo disse...

não sei explicar mas este homem transmite certeza, confiança; se fosse americano não hesitaria, mas como sou português voto nele...

Lídia não te preocupes tanto com a barra lateral, muitos me puseram de lado mas mandei-os sempre às favas e sei que não é o caso.
Beijo amigo

Rafeiro Perfumado disse...

Só tenho um desejo, que o poder não o corrompa, e consiga aplicar as ideias que fizeram o povo americano voltar a sonhar.

joshua disse...

Excelente reflexão, Lídia. Desde sempre os grandes homens além de o serem são de igual modo ungidos pelas multidões.

Mário Relvas disse...

Lídia,
volto a refrir que nada é linear. Obama gastou num só anúncio televisivo 3.000.000 de dólares. Isto faz-me reflectir se é como afirmas, um homem sem rectaguarda de grupo.
Tal como o António Almeida, estive com Bush nas primeiras eleições. Nas segundas já não fui seu fiel bacalhau.Porque fui-lhe diagnosticando algumas realidades tristes, se calhar fruto da intelligence militar, quiçá?! Pessoalmente senti esta eleição à distância e com pouca paixão. Estive mais para o lado de McCain; um senador que me parece ser mais conhecedor da realidade externa. Um herói que foi torturado no Vietname. Enfim, a sua idade fizeram-me olhá-lo com respeito. E admirei muito o seu discurso pós derrota. Apelou à união dos americanos em torno do seu futuro presidente: Obama, a quem saudou democraticamente. Confesso que após a nomeação da candidata a vice-presidente as eleições perderam alguma da sua capacidade anterior. Quer de um lado, quer do outro.
Mas, no fundo, Obama será assim tão diferente de McCain ou de Clinton? Agora toda a gente diz ser diferente de Bush. Mesmo os que ao lado dele estiveram. Iremos assistir a publicações de livros contando coisas que andam pelos segredos dos deuses... Obama será mais um presidente dos EUA que seguirá a "real politique" daquele país. Será forçado a fazer uma política diferente. A crise está aí em força e não haverá hipótese de a ultrapassar sem mudanças imediatas. Espero que Obama não se deixe abater nos seus pensamentos e propostas eleitorais, avançando com critério na política interna, não esquecendo que o que aí fizer terá consequências perante a política externa. E vice-versa. Os EUA, por mais que alguns sectores apontem como sectaristas e perigosos, contra tudo e todos, são efectivamente a potência que umas vezes bem, outras menos bem, tem procurado encontrar algum equilíbrio no mundo. Por isso, desejo a melhor sorte para Obama, sabendo que quase todas as suas políticas terão reflexo na velha Europa, agora travestida de nova União Europeia a 27.
Em primeiro lugar desejo que a velha Europa consiga encontrar um caminho político capaz para a nova Europa e, depois, consiga ter uma voz comum para a política externa. Que olhe os EUA como aliado forte que é, mas que saiba dizer não, se assim for necessário, para o nosso bem e para o mundo.

Com Obama ou com MacCain é isto que penso, entre outras coisas.

Saudações e um sorriso

Compadre Alentejano disse...

Obama vai fazer nos EUA o mesmo que Gorbachov fez na antiga URSS: uma Perestroika ocidental.
Apesar de ser uma potência mundial, os EUA alberga no seu seio, uma grande miséria social, e são os estractos sociais mais baixos que estão a fornecer carne para canhão, isto é, jovens para as guerras do Iraque e do Afeganistão.
Tenho uma grande esperança em OBAMA.
Abraço
Compadre Alentejano

Marreta disse...

Aguardemos então pelo desenrolar da governação, mas, sinceramente não creio que, principalmente ao nível da política externa, as mudanças sejam de tal forma grandes que possam ser consideradas mudanças. Não nos esqueçamos de onde veio o dinheiro (a estrondosa quantia de dinheiro) que o ajudou a eleger. Com certeza terão que haver contrapartidas...

Saudações do Marreta.

aDesenhar disse...

Para já uma coisa é certa,
a eleição de Obama é histórica,
e neste momento é prematuro especular
sobre as possíveis acções (palpáveis)
que ele irá colocar no terreno.
Obama será o "topo de gama" das políticas nacionais e internacionais,
e quer queiramos ou não, a maior parte dos países dependem das boas ou más políticas deste novo Tio Sam.
:-)
ver para crer...

Sei que existes disse...

Vamos lá ver o que se irá passar!...
Beijocas grandes

Alexandre disse...

Obama não pode fazer milagres mas pode apaziguar os países da América Latina, os do Médio Oriente (árabes) e até os do Oriente... suspeito que quem vai pagar as favas é a Europa....

São disse...

Boa comparação com o russo.
Eu exulto com a eleição, até porque _ ainda mais do que Maccain-me assusta aquela ignorante presunçosa de extrema-direira que é Sarah Palin.
Veremos que irá( e o que poderá) fazer Obama.
Se encerrar Guantanamo, não atacar países inventando mentiras e se se conservar aquilo que conseguiu transmitir será já muito bom.
Um grande abraço, amiga.

Maria disse...

Pois é...
Olha só no que deu a Perestroika...
Conheci pessoalmente Gorbatchev e tive ocasião de lhe responder a duas perguntas pertinentes que me colocou sobre militância, pura e dura.
Nunca gostei dele.
E não acredito no pai natal...
Obama tem uma ocasião única de mostrar que é diferente e que quer mudar o rumo dos EUA: levantar o embargo a Cuba mas, antes disso, desmantelar a base militar de Guantánamo e devolver ao povo cubano o que lhe pertence. Já! No dia a seguir à tomada de posse.
Talvez aí lhe dê o benefício da dúvida...

Beijinhos

Teresa Durães disse...

mas este novo presidente tem de temer pela sua própria vida dado que os fundamentalistas já andam a movimentar-se

SILÊNCIO CULPADO disse...

António Almeida
Barack Obama foi eleito por quem o desejava e por quem não desejava. Que foi uma solução de último recurso para alguns, disso não tenhamos dúvidas. O que virá daí o futuro o dirá. Os Presidentes dos USA provêem de partidos que são farinha do mesmo saco. Ou seja as diferenças ideológicas são quase nenhumas. Porém as actuações poderão ser substancialmente diferentes tendo em conta as mudanças operadas a nível global e que requerem rapidez e flexibilidade nas decisões a tomar sobre diferentes matérias.
Espero também que Barack Obama olhe pelos direitos humanos num País que ainda pratica a pena de morte e que reconhece através da descoberta do ADN que executou pessoas inocentes. Um País que tem revelado muita miséria encoberta e que se tem descredibilizado em guerras sem sentido para quem acredita numa justiça universal.
Se por um lado as ideologias mexem pouco comigo, sobretudo quando a prática mostra realidades bem diferentes das que nos querem fazer crer, já os Direitos Humanos são para mim uma orientação de vida e de pensamento.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

ManDrag

Nunca um governante foi um Santo Milagreiro e há interesses antagónicos com os quais Barack Obama vai ter que lidar com muito tacto e inteligência.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

GUARDIÃO

Pessoas diferentes terão sempre formas próprias de solução para os problemas. A administração Bush sai de cócoras e não é vantajosa para ninguém a situação complexa que legou aos sucessores.
Há que aprender com os erros e enveredar por caminhos diferentes onde as políticas falharam.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Marco Rebelo

Bem podes crer que Obama irá precisar de toda a força.


Abraço

Peter disse...

Desculpa, mas quando não concordo, digo que não concordo, e entre o que escreves e o que escreve o António de Almeida, embora eu nunca concordasse com a governação Bush, revejo-me na posição AAlmeida.

"fazer a ponte com uma América Latina que surge ameaçadora num novo modelo político que, sem recorrer a execuções e à censura, vai implementando um socialismo que poderá vingar noutras partes do mundo"

Não acho viável tal ponte e, se fosse americano, não a quereria.

"sem recorrer (..)à censura" (?)
Desculpa, mas no que respeita à Venezuela, não é verdade.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Odele
Esperemos que sim pese embora a diversidade de expectativas algumas bem contraditórias.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Martelo
A ver vamos como diz o cego. Não sou de grandes expectativas até porque há sempre coisas que concordo e outras que não concordo. E, como resisto a deixar-me formatar pelos partidos e pelas ideologias, resta-me a esperança que a minha capacidade de discernimento me dê convicções correctas através das diferentes correcções que vou fazendo.

Relativamente à barra lateral gostava que constasses. As tuas marteladas são fabulosas.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Rafeiro Perfumado

O poder corrompe sempre, infelizmente. Mas desejo sinceramente uma presidência de progresso não só para os USA como para toda a humanidade.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Joshua
Vamos lá ver se as multidões não se desiludem e de a rota que traçou, ou a que irá seguir trazem paz e progresso.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mário Relvas

Não sou muito dada a ir atrás de quem se julga senhor do mundo. Mas acho que sei reconhecer, porque aprecio de sobremaneira, um homem de palavra e de carácter. MCCain além do discurso da derrota, fabuloso em dignidade e sentido de Estado, tem uma passado em que várias vezes esse carácter que eu admiro (mesmo que se revele em circunstâncias com as quais possa não estar de acordo) foi posto à prova. Quando foi prisioneiro de guerra e teve oportunidade de ser libertado ele recusou a libertação caso a mesma não fosse extensiva aos restantes prisioneiros.
O que mais me fazia repudiar a vitória de MCCain era aquela figura rídicula e obsoleta que ele escolheu para vice-presidente.

Subscrevo inteiramente o que dizes quanto a desejares "a melhor sorte para Obama, sabendo que quase todas as suas políticas terão reflexo na velha Europa, agora travestida de nova União Europeia a 27.
Em primeiro lugar desejo que a velha Europa consiga encontrar um caminho político capaz para a nova Europa e, depois, consiga ter uma voz comum para a política externa. Que olhe os EUA como aliado forte que é, mas que saiba dizer não, se assim for necessário, para o nosso bem e para o mundo."

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Compadre Alentejano

Também não tenho dúvidas sobre a miséria social que os USA actualmente albergam nem sobre os efeitos devastadores da guerra do Iraque, sobretudo.
Aliás Obama vai ter que resolver a grave crise económica que a América atravessa e a questão das guerras em que está envolvida.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Marreta
Pois não sei. Vamos aguardar para ver. Por vezes as mudanças têm que acontecer e até são impulsionadas por quem não quer que elas aconteçam numa perspectiva que um recuo estratégico poderá evitar uma derrota estrondosa.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Adesenhar
Esse é que é o cerne da questão: "quer queiramos ou não, a maior parte dos países dependem das boas ou más políticas deste novo Tio Sam."

E isto acontece mesmo em relação a países que demonstram um anti-americanismo primário.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Sei que Existes


Obrigada pela visita e.... a ver vamos.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Alexandre

Esperemos que Obama apazigue as relações com a América Latina (e não só) porque é através do diálogo que se poderá evoluir para um mundo melhor com mais justiça e paz.


abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

São

Vamos ter esperança que as medidas que preconizas aconteçam.
Roma e Pavia não se fizeram num dia e o tempo presente exige combates em várias frentes.
Vamos pois esperar para ver.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Maria

Indo de encontro à tua perspectiva quero lembrar-te que a Amnisitia Internacional deu a Obama 100 dias, após a tomada de posse, para desmantelar Guntánamo.
O MNE de Cuba, além de parabenizar Obama, afirmou que seja o que for que ele faça para desanuviar as relações será bem recebido.
Chavez, Morales, todos se mostraram disponíveis e prudentes.

Por isso, Maria,vai com calma.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Teresa Durães

A prudência acima de tudo.
Só os milagres são instantâneos e não causam ricochetes.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Peter
Adorei a tua frontalidade. Assim mesmo é que é. Não devemos abdicar do que pensamos nem devemos inibir-nos de o dizer desde que o façamos correctamente como é o teu caso.
Orgulho-me de ter visitantes de vários quadrantes políticos, alguns claramente expressos,e acho que isso é enriquecedor e que umas opiniões não são melhores que outras pois todas contribuem para a formação da opinião e da consciência política necessária ao exercício da democracia. O António Almeida é um velho amigo que respeito e que me tem ajudado a enriquecer este espaço com formas de olhar diferentes, inclusive diferentes de algumas minhas.
Porém não pretendo induzir ninguém a pensar duma determinada maneira. Todos os comentários ficam aqui para que sejam lidos, comparados e, naturalmente, reflectidos. O que significará que uns continuarão a pensar duma forma e outros doutra. O que é excelente.
Mas também considero que me é legítimo ter e manifestar a minha opinião. Neste contexto não retiro uma virgula ao texto que escrevi e que espelha o que realmente penso.
Se um dia pensar diferente então direi: estava enganada. Não me custará nada admiti-lo.
Abraço

Meg disse...

Lídia,
Obama ganhou e eu estou feliz por isso. Não sou conhecedora desses meandros da política internacional e se sei alguma coisa é pelo muito que leio escrito por quem sabe.
A minha relativa ignorância diz-me que estas não foram só umas "eleições na América". Creio que com o que se passa no mundo, este não voltará a ser como era até agora.
Com estas eleições jogou-se muito do bem estar mundial.
Sei que Obama tem pela frente uma empresa colossal, em que todos têm de arregaçar as mangas para trabalhar e cooperar.
Ah... e Roma e Pavia não se fizeram num dia... é preciso não esquecer; o homem só foi eleito anteontem.
E mais não sei, minha amiga.

Um abraço

C Valente disse...

ver para crer, miuita esperança se deposita
Saudações amigas

sonia a. mascaro disse...

Lídia, muito lúcida as suas considerações. Torci pelo Obama e espero tudo de bom para a América e para todo o mundo também!

Muito obrigada pela sua visita!Gostaria de tê-la comigo no meu jardim!
Abraços e um ótimo final de semana!

M. disse...

A América e o mundo têm os olhos postos neste homem. Contudo, não podem esquecer que não pode fazer milagres nem esperar demasiado dele. Todas as acções que fizer terão de ser apoiadas pelos que trabalham com ele ou contra ele caso contrário espera-o um grande sacríficio. De resto, está tudo dito, no post e nos comentários, espera-se que Obama atinja os seus objectivos sem que haja vitimas. Deve aumentar o peso da expressão democrática dos povos. Deve a América ser exemplo como guardiã da paz.

Abraço

Vieira Calado disse...

"a feição humanista..."

Que, ao menos, seja isso!

É preciso é saber se os sharks deixam...

Desejo-lhe um óptimo fim de semana.

Zé do Cão disse...

Estou a pensar que Obama vai ser o bode expiatório de toda a trampa que tem sido feito na America.
Ao Busch tudo será perdoado, mas ao (negro) Obama, ao mais pequeno desliza, será crucificado. Cá estaremos para ver.
Tomará mesmo posse...
Sou pessimista, dizem-me ao ouvido.
Beijocas

Valsa Lenta disse...

Lídia

Agradeço a sua visita ao meu blog.
Vou tentar voltar em breve. Estou bem.
Infelizmente, por enquanto, não conseguirei comentar alguns dos seus textos. Reparei que escreveu sobre a adopção - assunto que me interessa bastante.

Vou tentar regressar.

Felicidades e uma vez mais obrigada

Gui disse...

Esperemos para ver. Não estou assim tão seguro de que Obama seja o salvador da pátria, e tenho receio de que a sua eleição venha extremar posições. Já ouvi um jogador de futebol a jogar em Portugal, a dizer em relação à eleição de Obama, que o mundo é dos pretos. O racismo n~eo é exclusivo dos brancos e difícilmente acabará. Oxalá esteja enganado.

mfc disse...

Ele quer cuidar da classe média.
E que será daqueles que estão abaixo da classe média?!

Paradoxos disse...

estou vom ele!!

Paradoxos disse...

"com"

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Lídia, quanto ao tema em debate faço minhas as palavras do António Almeida, esperando que ele não me leve a mal... Grata pela tua visita e fiquei feliz, de gostares do meu Soneto...Boa noite, Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

SILÊNCIO CULPADO disse...

Meg
A tua perspectiva vem de encontro à minha. Obama tem pela frente uma missão colossal. Terminou uma era e começa outra diferente porque o mundo em mutação, e alguma convulsão, assim o impõem.

Vamos aguardar.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

CValente

Obrigada pela visita. Efectivamente quando as expectativas são demasiado elevadas as desilusões são mais prováveis.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Sonia Mascaro

Eu também sou dos que torce para que o mundo melhore. A América é uma pedra essencial nessa evolução.

Abraço


Adoro os seus jardins. Gosto de lá estar. São fantásticos e reconciliam-nos com a vida nos momentos menos bons. Também nos momentos de alegria nos fundimos na beleza e plenitude que eles transmitem.

Abraço

sideny disse...

Que deixem o senhor governar, para conseguir melhorar as estupidez que o outro fez ao longo do tempo que la esteve.
E que nada lhe aconteça de mal, e o que eu espero
beijo

Savonarola disse...

Uma análise profunda e detalhada de uma situação extremamente complexa. Na minha modesta opinião, esperar de Obama mais do que seria possível em qualquer presidente norte-americano é uma quimera. Ele é, como Democrata, a alternância a oito pesados anos de governo Republicano.
Isto é a América.

Um abraço anarquista

São disse...

Amiga, passei para te abraçar.
Bom domingo.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Lídia, votos de bom Domingo... Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Tony Madureira disse...

Olá,

Penso que o mundo vai ficar melhor.
Qualquer que fosse o Presidente, pior que George W.Bush era impossível.

Neste Homeme está depositada toda a esperança.

Esperemos para ver…


Bjs

heretico disse...

reconheço a importância simbólica desta eleição.

quanto às políticas ... veremos. como diz o cego...

abraços

Anónimo disse...

Sempre cheias de interesse as tuas reflexões...

Passei para deixar o meu carinho e a minha admiração...

Um beijinho para ti...

Alice Matos

Arnaldo Reis Trindade disse...

Amiga, fico feliz pela postagem, pela vitória de Obama e pela reviravolta que isso pode causar no mundo, tenho medo do que possa haver de agora em diante, mas mesmo assim torço por algo melhor e gostei da mudança.

Abraços

Oliver Pickwick disse...

O slogan que aparece na fotografia de ilustração do post, "We can believe", lembra-me uma frase escrita na janela do apartamento do Agente Mulden, "I want to believe", personagem do seriado Arquivo X (X Files). No seriado, a expressão representava a vontade do Agente Mulden em acreditar em seres extraterrestres, ou seja, ETs. Espero que, no caso norte-americano, o sentido seja muito diferente.
Os ricos perderam a credibilidade. Esta é uma crise de ricos, deflagrada de modo irresponsável pelo sistema financeiro norte-americano e, co-deflagrada pela maioria dos países da UE, na sua ânsia de abraçarem o neo-liberalismo.
No mais, foi-se o tempo de salvadores, querida amiga!

Um beijo!

O Guardião disse...

Não sei o quê, nem quanto das suas promessas irá Obama conseguir realizar, mas pelo menos todos ficaram cientes que a mudança e a humanização do poder é necessária, e isso já é um bom ponto de partida.
Cumps

Pata Negra disse...

Espero que não lhe façam a folha! Obama é esperança! Talvez encontre um maneira simples de resolver as coisas que estão complicadas. Mas nem que morra agora já deixou um valoroso contributo. Por agora, estou reconciliado com a América!
Entre Obama e Sócrates não hesitaria!
Um abraço índio

polidor disse...

a auto-confiança que este homem demonstra transmite uma confiança mais ou menos generalizada, ma é uma oportunidade única sem lugar a falhanços por incumprimento das expectativas... espera-se de facto muito dele.
bjos

Olhos de mel disse...

Minha amiga linda! Agora é esperar que realmente, ele não nos decepcione e principalmente aos que lhe depositaram confiança.
Belo post! Boa semana! Beijos

fotógrafa disse...

Vale a mudança! no futuro se verá, mas o simbolo desta eleição, é sem duvida o mais importante para o povo americano e muito para o mundo inteiro.
abraço e obrigada pela visita

Peter disse...

Como não temos por aqui ninguém em quem acreditar, revemo-nos em Obama, o nosso D. Sebastião...

Jacky - Tudo posso realizar!!!! disse...

Esta é nossa esperança, pelomenos é o que dizem...
Bom não sei se podemos acreditar.
Mas a "esperança é a ultima que morre mesmo"...

O Profeta disse...

Vamos aguardar...


Doce beijo

SILÊNCIO CULPADO disse...

M.

Lindo o que dizes amiga.
"Obama deve aumentar o peso da expressão democrática dos povos. Deve a América ser exemplo como guardiã da paz."
Eu espero que sim mas as mudanças que muitos anseiam não serão as mudanças que muitos temem?
Estamos perante fenómenos imprevisíveis. Valha-nos a esperança.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Vieira Calado
Vamos esperar para ver. Estamos a assistir a grandes transformações e outras mais se esperam.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Vieira Calado
Vamos esperar para ver. Estamos a assistir a grandes transformações e outras mais se esperam.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé do Cão

Algo me diz que Obama conseguirá ultrapassar todos esses handicaps se chegar a tomar posse. Neste "se" é que está o busílis.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Valsa Lenta
A amizade das pessoas não se mede pela presença física, ou virtual, mas pela solidariedade pressentida e pela sintonia de afectos e pontos de vista.
Sei que estás aqui mesmo quando não estás. Isso me basta.
Quanto ao tema da adopção gostaria de desenvolvê-lo contigo tendo em conta o teu caso concreto.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Gui
Não estou assim tão pessismista relativamente ao racismo. Os grandes embates vão dar-se mesmo a nível de opções económicas, política externa e Direitos Humanos.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

mfc


Bom os que estão abaixo da classe média têm o peso muito significativo nos USA mas penso que a ideia é ter uma espinha dorsal que permita a mobilidade social e o esbatimento das clivagens.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Paradoxos

Eu também estou. Gostei de te conhecer.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Fernanda
Obrigada pela visita. Claro que o António Almeida não leva a mal. Antes pelo contrário, ficará contente por encontrar aderentes ao seu ponto de vista. Quem não gosta? E eu também gosto que os meus comentadores sejam apreciados.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Sidney

Pois e parece que ele vai corrigir 200 medidas tomadas por Bush. Espero que isso não tenha consequências más para ele nem para aqueles que, directa ou indirectamente, são abrangidos.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Savonarola


Uma análise que me parece muito realista. A América é a América com as suas características muito próprias. Porém, há muita coisa que, mesmo assim, poderá ser feita e eu tenho fézada de que o será.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

São

Abraço, minha querida e obrigada pela visita.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Fernanda

Obrigada pela visita e uma boa semana para ti.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Tony Madureira

Concordo inteiramente contigo. Aliás, segundo uma sondagem realizada, Bush foi considerado o pior presidente dos USA de todos os tempos. Vai e não deixa saudades.
Também tenho esperanças em Obama.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Herético

Esperamos mais que uma importância simbólica desta eleição mas, como dizes, ... veremos.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Alice Matos
Obrigada pela visita e pelas palavras. Acredita que tinha saudades tuas. Pessoas como tu desenvolvem a nossa sensibilidade.
Não te apagues.

Abraço

Zé Povinho disse...

São muitas as esperanças depositadas em Obama, mas tenhamos sempre em conta que é apenas um homem e que os interesses que defronta são muito poderosos. O mundo inteiro espera muito dele, eu desejo-lhe apenas sorte, que vai precisar certamente.
Abraço do Zé

SILÊNCIO CULPADO disse...

Arnaldo Reis Trindade

É uma felicidade encontrar-te e sentir aquela tua consciência universal tão activa apesar de muito jovem.
Eu acho que esta eleição marca uma etapa e que nada voltará a ser como dantes.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Oliver Pickwick

Os ricos perderam a credibilidade mas eles estão-se bem marimbando para isso desde que continuem a ser ricos. Não há salvadores mas ainda há quem tenha uma coluna vertical erecta. Será que um desses não poderá ser Presidente dos USA?

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Guardião

É um bom ponto de partida todos admitirem a necessidade duma mudança e a humanização dos USA no sentido do respeito pelos Direitos Humanos. É que ouvir o Bush falar no desrespeito por estes direitos em países do dito eixo do mal e ver o que se passa na América....

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pata Negra

Esperemos que não lhe façam a folha porque o homem está mesmo com vontade de trabalhar e de dar um novo rumo aos USA actualmente a braços com problemas de toda a ordem.
Claro que a sua eleição num determinado contexto, e até o facto de ser afro, já foi um grande sinal de mudança. Mas não chega. É preciso quem cuide das várias reformas que têm que ser implementadas para que os USA recuperem da regressão que sofreram pela administração Bush e respondam eficazmente às necessidades de um mundo que necessita de sustentabilidade ambiental e de respeito pelos direitos humanos.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Polidor

Espera-se de facto muito de Obama.Ele tem uma grande responsabilidade em cima para não defraudar as expectativas.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Olhos de Mel

O futuro a Deus pertence.

Vamos aguardar.


Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Fotógrafa


Mudanças irão registar-se sem dúvida. Mas as convulsões da economia, o aumento do desemprego, os impactos ambientais, as desigualdades sociais, colocam desafios de monta. Vamos ver.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Peter

É triste não termos por cá um D.Sebastião. Olha que nos faz muita falta que mais não seja para sairmos do pessimismo em que estamos mergulhados.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Jacky
Bom as eleições foram nos USA não foram cá. Claro que a influência na Europa e no Mundo não é de subestimar. Mas não podemos alhear-nos das lutas no nosso cantinho à espera que as soluções venham do Barack Obama.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Profeta

Obrigada pela visita.
Vamos aguardar até porque o homem só toma posse a 20 de Janeiro de 2009.

Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé Povinho

São muitas as esperanças em Obama e eu vejo-o animado em tentar corresponder a essas expectativas. Porém as mudanças não serão tão rápidas e visíveis como alguns pretendem e, se o forem, dificilmente ele conseguirá aguentar-se. Vai precisar de muita sorte sem dúvida.

abraço

Jorge P.G disse...

Fala-se já do encerramento de Guantanamo. Um sinal positivo, acho.

Tenho esperança em Obama, mas não espero alterações radicais e mais ou menos imediatas. Nem tal seria inteligente e eficaz.
Acredito numa administração mais humanista e menos à cowboy intrépido e inconsciente.

Um abraço.
Jorge P.G.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Jorge

Fico contente por saber que há vontade de fechar Guatánamo.
Concordo que as mudanças deverão ser prudentes até porque desde que se começou a perspectivar a eleição de Obama que a venda de armas a particulares subiu exponencialmente.

Preocupante a meu ver.


Abraço