.



O OUTRO LADO DA POBREZA


*Imagem da net

Falar da pobreza é falar de injustiças, de desigualdades, dum mundo que não é pacífico pelos interesses, pela cobiça, pela ânsia de poder e pela desumanização globalizada num mercado que não se compadece dos fracos nem das almas sensíveis.


Só o lucro motiva as empresas cada vez mais gigantescas e prontas a engolir. Por detrás estão cérebros que trabalham com números. É irrelevante a dor que provocam com os despedimentos. Reduzir postos de trabalho e encargos com os trabalhadores são condições essenciais ao crescimento e à sobrevivência destes tubarões dos tempos modernos.


Tudo se justifica com a justificação de que há trabalho e não há empregos e de que é preciso eliminar postos de trabalho para garantir o lucro e a expansão.


Há trabalhadores que se suicidam e outros deixam de viver embora continuem a calcorrear as ruas deste mundo hostil.


Há desempregados que a recorrerem ao Banco Alimentar mas também há empregados que o fazem por não ganharem o suficiente.


Há pessoas que não gostam de trabalhar mas até têm empregos seguros garantidos pelas redes de sociabilidades que geram influências. Há quem tenha trabalhado uma vida inteira e não tenha nada.


Há quem seja brilhante nos estudos e acabe em Caixa de Hipermercado, ou desempregado suportado pela família. Há quem tenha obtido graus académicos à força de ensino pago, sem brilho e às vezes sem até ter concluído os graus que lhes atribuem.Mas os curricula fazem-se à medida das influências e quem contesta os filhos dos patrões?


Há pobres que geram riqueza enquanto muitos ricos geram pobreza. Quem ousa apontar a dor da injustiça?


Vou contar algumas histórias neste Ano 2010 que dizem ser o Ano da Luta pela Erradicação da Pobreza. Vidas de pessoas que conheço. A realidade do conceito de pobreza no seu elemento cru para que nos possamos questionar.



26 comentários:

Xaninha disse...

é uma situação que está cada vez pior...
e ainda por cima, o mais horrível é saber que ainda há gente que lucra com a pobreza alheia!!

mt fixe o teu blog
beijinho

Zé do Cão disse...

Acrescento ainda que as empresas que estão agarradas ao estado, não tem a mais pequena consideração, por quem as mantêm. Os clientes são tratados como raça com lepra. Refiro-me a
EDP, Galp gás, PT telecomunicações, àguas de qualquer Câmara.
Estou convicto que não ninguém que não tenho queixas de esta gente.
Pela minha parte sou um martire.

Jinhos

Sonia Schmorantz disse...

Eis aí um assunto que rende muita discussão, tomara seja este ano de muitas decisões, mas em favor daqueles que precisam, dos esquecidos...
beijos, ótimo fim de semana

Maria Flor disse...

Tocante, a realidade que nos afronta todos os dias. Não importa em que país estejamos vivemos todos os dias tomados pelas incertezas da pobreza que só aumenta a cada dia.

muito bom o seu blog.

beijocas, Flor.

Luma Rosa disse...

Trabalho em uma multinacional e vejo como os empregados são acomodados e não se especializam, almejando apenas a aposentadoria. Outros, totalmente capazes, poderiam investir seus conhecimentos em uma empresa própria, gerando empregos, mas preferem a acomodação.
Acredito que os subempregos sejam temporários, algo que a pessoa procura por não ter conseguido algo melhor, mas neste meio tempo, há de se querer crescer.
Por causa da falta de capacitação, empresas preferem a máquina do que o trabalho humano.
Aos pobres quem se responsabiliza, se o próprio governo é pior que padrasto e prefere os povos na ignorância?
Bom fim de semana! Beijus,

manuel marques disse...

A democracia está falida,há que reinventar outra sociedade mais justa.
Beijo querida amiga.

Fatyly disse...

Subscrevo as palavras de Luma Rosa.

Quem abre uma empresa é para ter lucro e se os trabalhadores se aplicassem mais e fossem pela diálogo - OS SINDICATOS QUE TEMOS SÃO UMA TRAMPA E A MAIORIA DOS REPRESENTANTES MAL SABEM FALAR - muita coisa mudaria, oh se mudaria.
Agora eu ter um trabalhador que chega sempre atrasado e depois não compensa, que conversa, que brinca na internet esquecendo-se que está por conta de ontrem, fazer mais uma hora ou até fins de semana são contas de outro rosário e nisso os portugueses são geniais, como é óbvio era despedido e punha um que fosse mesmo trabalhador.

Depois esta crise foi a melhor oportunidade para muitos empregadores fecharem as portas e irem para outros países onde há quem trabalhe mesmo e saiba aguardar por "um dia vai surgir algo melhor".

No meio desta salada russa existe o qu o "Zé do Cão" refere: empresas que estão agarradas ao Estado fazem o que fazem e porque fazem? porque permitimos, porque só falamos e não actuamos e talvez eu possa dizer que não tenho problemas com nenhuma, porque mal tive, lutei, barafustei e resolvi de imediato. Aliás em todas elas devo ser mais conhecida que a "mulher da fava rica":
EDP, resolveram de imediato e já lá vão 10 anos sem qualquer problema!
GALP - nunca mais abasteci e muito menos nas suas maninhas
GÁS - nunca tive problema e é canalizado
PT - lutei para deixar de pagar a porcaria da assinatura e fichas. Não? mudei de operadora e enquanto mudava vieram logo, que sim que aceitariam a minha proposta, mas não aceitei e
A Cãmara daqui tudo que apresento como reclamação é resolvido de imediato e sem mas nem meio mas!!!

Haverá sempre pobres e actualmente em Portugal só passa fome quem "tem vergonha de pedir nos locais certos que dão" o que é ainda mais assustador!

Haveria muito mais a dizer, mas fico por aqui!

Beijos garota linda

Pata Negra disse...

Falas de pobreza, és beata; falas de capitalismo, és comunista; falas de luta, és classe média a perder regalias! Isto tem de levar uma grande volta e não podemos esperar que os nossos líderes saiam da televisão. A televisão é deles, a blogosfera é nossa!
Um abraço farto de esperar, se espermos muito, eu morro!

Sofá Amarelo disse...

Um post que mexe com as consciências... ou deveria mexer, pois infelizmente muitas consciências não se demovem com os factos cada vez mais graves que vão acontecendo... humanidade, que humanidade é esta?

JOY disse...

Esta crise serviu para ver a falta de solidariedade social de muitas empresas para com aqueles que as ajudaram a criar fortuna, chegamos ao cúmulo de ter por exemplo uma empresa que queria despedir 300 empregados, não por que estivesse a dar prejuizo mas sim para aumentar ainda mais os seus lucros. è esta a nossa triste realidade em que a crise serve para todo o tipo de justificações para por trabalhadores ne rua.

Joy

Brancamar disse...

Belísimo texto Lídia, sempre tão esclarecedor tudo o que sai da tua mão!
Espero pelas tuas histórias, que adivinho sejam bem realistas, porque cada caso é um caso e tal como aqui descreves os motivos da pobreza e do desemprego são diversos, bem como as situações de emprego, tudo depende da vida de cada um, da saúde e das despesas de cada um. Até acredito, por mais que achem bárbaro o que vou dizer, que haverá alguns desempregados a viver melhor que muitos empregados com salários de miséria que não chegam para as despesas e que se arrastam de sol a sol, com pouca saúde e muita idade, num país em que os subsídios não são devidamente fiscalizados, em que não existe a honra e a consciência de bem pagar impostos como é cultura nos países do norte da Europa e em que por vezes se faz do subsídio profissão sem muita pressa de sair dele.
É inadmissível que o dinheiro que já somos poucos a descontar, mais os poucos fundos que ainda vêm da Europa sejam distribuídos ao desbarato, tipo não me apetece trabalhar, faço uma fundação, peço subsídios ao estado e fico a viver disso, até que alguém se lembre, se se lembrar, de um dia verificar que não cumpro os requisitos, mas até aí vivi sem me consumir muito.
Tenho verificado isso à minha porta e coisas piores, numa insconsciência total do que deve ser um serviço público.
Trabalho numa área do Estado, que paga a Instituições privadas, que por sua vez roubam os utentes cobrando-lhes taxas extra que não devem, porque não se satisfazem com os preços que lhes são pagos e ninguém põe cobro a isso, porque os utentes se acomodam, porque são eles que assinam documentos a aceitar essas cobranças, porque não há neste país ninguém ou muito pouca gente que tenha consciência das lutas que deve travar, porque se perdeu a noção de justiça, apesar de tudo todos se habituaram à vida fácil, ao "laisser faire, laisser passer".
Voltarei e o tema continuará a ser desenvolvido com as tuas histórias, qu prometem pano para mangas e para um debate interessante, porque todos temos que ajudar a erradicar a pobreza, com amor e sacrifício pessoal, nunca com comodismo exacerbado.
Até breve. Bom Domingo.
Beijos.

Segunda Pele disse...

Está aí um assunto que renderá muito para 2010, 11 e 12.

Existe um mundo inteiro vivendo cada frase escrita.

Voltarei mais vezes.

São disse...

A pior pobreza, Amiga, é a de espírito...e essa abunda por aí.

Bem hajas pelas tuas tomadas de posição.

Silvana Nunes .'. disse...

Boa terde. Paaseando pela net descobri o seu cantinho e resolvi entrar. Interessante esse post, pretendo acompanhar.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja uma boa semana para você e os seus.
Saudações Florestais !

. intemporal . disse...

.

. o outro lado da pobreza que combato com a força das palavras capazes de erguer o mundo .

.

Aos poucos tudo voltou a fazer sentido.

Renascido das trevas, a luz impôs a presença
e patenteia o caminho que perpetua o existir.
Ele está aqui
agora com mais pedras, que guardarei todas
para construir um castelo
rememorando o poeta.

Aos poucos o dia alcançou a força exposta em resumo para não mais terminar.

O tempo transporta horas apressadas
ao ritmo de outrora
e revela a vida
no despertar quotidiano,
inevitável, imperativo.

Aos poucos o futuro é novamente abstracto, sem horizonte.

Imprescindível na mente
Onde o que foi ausente
agora é defronte,
permanente e presente.

Aos poucos o sorriso sustenta o sonho que conduz a essência ao peito.

Confesso-me grato ao efémero
que oculto cegou o resguardo
e o respeito por mim
que agora recupero aos poucos
à integridade,
socorro o corpo sem corpo,
incorpóreo
e a alma
pode finalmente voar.

.

. um beijo abraçado .

. uma boa semana .

. paulo .

.

Å®t Øf £övë disse...

Lídia,
Ler este teu texto faz-me cada vez mais pensar que vivemos num mundo completamente ao contrário.
Bjo.

Mar Arável disse...

Que viva a vida

em luta

nestes mundo descontente

Compadre Alentejano disse...

Mas, no meio de tanta pobreza, há uma classe que vive bem: A CLASSE POLÍTICA!...
Espero que um dia, essa classe também a conheça...
Compadre Alentejano

caixadepregos disse...

Lídia, sem pão não há espírito que debite ideias, como em qualquer máquina não há movimento sem combustível... crescem as desigualdades, todo o esforço de civilização se está a perder como se os humanos fossem as máquinas ...é a eterna luta repressiva dos predadores.
um abraço

C Valente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
C Valente disse...

Cada vez há mais pobreza, infelizmente
Muitos com pouco e poucos com muito
Saudações amigas

Arnaldo Trindade disse...

Eu poderia dizer que não lucro da pobreza alheia, mas infelizmente estaria a mentir para mim mesmo, pois apesar de vender para pessoas ricas, sei que a riqueza delas vem da pobreza de outras, tentamos fazer o que dá pra ajudar aos outros, mas sei que não é bastante e torço para que inciativas que mostrem ao mundo o que ele não quer ver continuar a se multiplicar e que mesmo que pouco, possamos ajudar a fazer da vida, algo um pouco menos sofrido e mais feliz.

Abraços.

heretico disse...

pungente.como uma ferida aberta...

que nunca a tua voz se cala...

abraços

Isabel disse...

fundamental.

falar. gritar. denunciar.

combater.



obrigada.



________________(piano)

São disse...

Venho desejar-te, amiga, excelente fim de semana.
Fraterno abraço.

LLEAL disse...

A sabedoria de suas palavras poderia ter sido citada nos séculos XII, XVI, XX e representariam apenas o eco da ambição humana.
Para tristeza de todos nós, certamente o eco se estendará nos séculos que estão por vir.

LLEAL