.



PERGUNTAS

Segundo li ontem(18/2/2011) num jornal, um garoto de treze anos esfaqueou a mãe porque esta o proibiu de utilizar a play station, dadas as suas más notas escolares.

Também fora noticiado há tempos o caso de um jovem de dezanove anos que ameaçara a mãe de morte se lhe não comprasse um automóvel.

Que sociedade é a que estamos formando?

Que Educação é a que vigora actualmente ?

Que futuro nos aguarda?

Estaremos todos já em loucura completa?


SÃO  BANZA

20 comentários:

Cata- Vento disse...

Inacreditável,lamentável, horrível... Estamos a fabricar uma sociedade onde há uma ausência total de valores e nem a família, no seu mais pequeno núcleo, resiste à terrível hecatombe a que vimos assistindo.
Todos somos responsáveis e a todos compete actuar de forma a debelar estes males atempadamente. Creio que ainda é possível.
Bem-hajas, amiga!

Beijinhos

ManDrag disse...

Diria alguém serem os sinais do fim dos tempos.
A triste verdade é que tais casos são cada vez mais frequentes, o que é sintoma de que alguém (alguéns, muitos alguéns) não está fazendo o seu trabalho de educação correctamente. E creio sermos todos nós, que nos vamos dissociando da responsabilidade de nos educarmos mutuamente e de querermos aprender a sermos melhores.

Beijos

São disse...

Também creio que poderemos tentar ainda o descalabro total.

Mas creio igualmente que o fim se aproxima,compnheira.

Um bom fim de semana, CATA_VENTO.

São disse...

Meu Amigo, creio que nos estamos aproximando rapidamente do fim de um ciclo, mas tal facto não implica desresponsbilizarmo-nos acerca das gerações que aí estão e das que virão.

Embora tenha alguma esperança , não vejo grande luz para o futuro.

Um abraço.

manuel marques disse...

Educação é aquilo que a maior parte das pessoas recebe, muitos transmitem e poucos possuem .Estamos a bater no fundo...

Beijo.

São disse...

Mas quanto mais ainda teremos que afundar para batermos no fundo?

Saudações

Raul Almeida disse...

À semelhança da tradição, a sanidade mental "já não é o que era".
O presente acaba o futuro e o bom passa a ser mau e vice versa.

Formamos escravos, operadores de máquinas tecnologicamente avançadas onde o real e o virtual se confundem e o punhal que fere e mata, nada mais é em significância que o ponteiro do rato ou a tecla de "Enter".

Não estamos loucos enquanto estranharmos estas chocantes noticias e as questionarmos.

Loucos estaremos quando tudo nos parecer normal.

São disse...

Acho que as relações humanas estão a ser substituídas por contactos virtuais e isso é perigosso, dado o uso de jogos violentos por parte dos adolescentes e a competição lançada entre os jovens.

Um bom fim de semana.

Raul Almeida disse...

Estão sim,São (as relações humanas).
O perigo do virtual, leva a uma reflexão na qual seja importante abordar a flexibilização e adaptação da educação ao novo mundo que invadiu a nossa sociedade.
Eu próprio sinto-me escravo da máquina e da teia montada pelos novos sistemas tecnológicos. Não sei se terá a mesma opinião e se não estará também apanhada na rede em que tlm,sms e net fazem parte do nosso quotidiano.
O grande problema é o controlo em tempo de todas as facilidades à nossa disposição.
O padrão de pensamento a incutir na mente dos jovens é a responsabilidade e o cultivar dos valores que são génese do ser humano.
É uma missão deveras difícil, mas que se cada um fizer a sua parte poderá ser levada a bom porto.

Não poderemos mudar o mundo mas se contribuirmos para o tornar um pouco melhor, poderemos orgulhar-nos de espalhar sementes de tudo o que é bom e que estamos em risco de perder.
BFSemana.

Zé do Cão disse...

Meu DEUS ao que chegamos.
Coitadinhos, vão ter apoio psicológico.
Talvez há 1 os 2 anos,correu na net através de mails um filme demonstrando como na Venezuela tratavam os presos "violadores".
A estes meninos dava-lhes esse tratamento.
E aos pais, metia-os na escola onde se ensinava com,o se deve educar os filhos.
abraço

São disse...

Caro R>AUL. eu tenho uma má relação com máquinas e isso me tem salvaguardado bastante de ser dominada por elas, felizmente. Claro que também há aspectos negativos, tais como o de possuir carta e não conduzir.

Creio que o equívoco maior foi o de se ter confundido liberdade com libertinagem e o de se entrar num modelo de educação laxista.


Sei, infelizmente por experiência própria, que as nossas crianças e adolescentes podem não absorver nem os exemplos nem as referências. No entanto, creio que se as não tivessem tido , o resultado seria ainda pior.

E, claro, continuaremos lutando para que nem tudo vá na viragem dos tempos.

Saudações.

São disse...

Meu querido ZÉ, pois foi mesmo esse receio de traumatizar as crianças que deu este resultado desastroso.

E sabes que há cerca de 8% de famílias agredidas pelas suas crianças?

Mas se deres um tabefe, isso é um crime público!

No entanto, talvez fosse bem reflectir.se seriamente sobre Educação , pois é nela que asenta toda a Vida,

Abraços, amigo

Mgomes - Santa Cruz disse...

São: É a sociadade em que vivemos que não tem valores morais, logo a partir do proprios governantes que se dizem laicos, mas que ganham milhões e são os maiores corruptos, e depois a correria do dia a dia e que não sequer há tempo para dar atenção aos filhos e maior parte das vezes nem sequer se fala com eles.
Beijos
Santa Crus

São disse...

Tem razão! Mas será que não existe alternativa a este modelo que mina o que é realmente humano pela raiz?! Sinceramente, acho que há!

Uma semana feliz

gatinhafofa disse...

ui ui que horror!! afinal em que mundo estamos vivendo??? fogo basta de guerras,basta desta porcaria de crimes. deixem-nos viver em paz. é insuportavel ver noticias destas.

São disse...

Estamos vivendo num mundo sem referências nem valores...

A única coisa que podemos fazer é lutar contra a desumanidade que nos está consumindo sem pena nem remorso

Boa semana

Maria João disse...

A violência e a criminalidade exercida por crianças e jovens, está gradualmente a ocorrer em idades cada vez menores, com gravidade cada vez maior e por motivos cada vez mais fúteis. Esta realidade, assustadora e arrepiante é, ou deveria ser, objecto de reflexão urgente e apurada por parte de todos nós, sobre a forma como estão a ser educadas as nossas crianças e jovens. Porque não tenhamos dúvidas, é exactamente aí que reside o epicentro deste enorme problema., cuja total dimensão não é , ainda, inteiramente visível. Quando digo " todos nós", refiro-me a pais, professores, educadores, governantes e sociedade em geral.
Há pelos menos três décadas que se ouve falar de uma crescente crise de valores e é certo que a abundância e o facilitismo, se por um lado fomentaram a melhoria da qualidade de vida e um enorme desenvolvimento em diversas áreas, na questão dos valores, teve um efeito perverso e inverso. O saber ser, o saber estar, o saber lutar e o saber frustrar.. entre muitos outros saberes de índole estruturante, foram substituídos pelo querer muito, ser muito, muito rapidamente, sem muito esforço e sem impedimentos inultrapassáveis.
As nossas crianças aprendem que as pessoas e as coisas apenas têm uma utilidade precisa; satisfazer os seus sonhos, necessidades, desejos, vontades e caprichos e que, na certeza de que nada é impossível, a eliminação dos obstáculos a qualquer custo é coisa de somenos importância, mesmo que os responsáveis pela frustração( seja ela qual for, para eles sempre impossível de suportar), sejam os próprios pais.
Que não seja necessário chegar ao caos, para que a ordem se restabeleça.

Assim espero!

O Puma disse...

Atenção

Nem os desertos são iguais

São disse...

Maria JOÃO o que faz falta neste momento é a coesão familiar e a firmeza na escola.

Falha redondamente a educação emocional e toda a socieade está a dissolver-se numa ausência tremenda de valores e a perder pomtos de referência.

A exigência ética é cada vez menor e nós vemos os poderosos como Blair, Bush, Berlusconi,Vaticano, ... , a darem
Exemplos cada vez piores e a tudo ser relativizado!!

A Educação é a base de tudo na vida, mas a competição actualmente tudo justifica e a solidariedade vai-se.

O meu abraço .

São disse...

Caro PUMA, claro que ainda existem jovens com valores, mas temos que dar muito mais atenção áquilo que se transmite às novas gerações quanto ao Ter e a regras.

Um abraço