.



PSP PARA ALÉM DOS LIMITES?

O Portugal Diário divulgou ontem um vídeo, no qual é possível ver homens envergando a farda da PSP a bater num jovem, na zona do Parque das Nações. Depois de a PSP ter decidido abrir um processo de averiguações, também a Inspecção-Geral da Administração Interna (IGAI) revelou que está em curso uma investigação sobre as imagens publicadas no YouTube.
Segundo dados revelados, nos últimos três anos a PSP suspendeu nove agentes, multou 27 e repreendeu por escrito oito. Não houve qualquer demissão ou aposentação compulsiva exclusivamente por este motivo.
Após a instauração de um processo de averiguações, Clemente Lima disse que, segundo as conclusões dessa investigação, poderá ser aberto um processo de inquérito, a que se seguirá, caso se justifique, um processo disciplinar. O inspector-geral acrescentou ainda que o caso poderá seguir para as mãos do Ministério Público para a instauração de um processo-crime.
Em 2006, a PSP recebeu 863 queixas contra a actuação da polícia, mais 243 que em 2005. Este ano, até cinco de Setembro, a polícia já recebeu 403 denúncias. O director nacional da PSP, Orlando Romano, explicou que estas denúncias surgem em «90 por cento dos casos» quando os suspeitos estão «a ser ouvidos no Ministério Público ou pelo juiz».
«Num cenário de mais de 30 mil detenções por ano, muitas vezes em bairros conflituosos, o número de queixas é reduzido, assim como os casos com fundamento», adiantou. Sobre o caso do vídeo, o director nacional espera que sejam retiradas as «devidas consequências».
Fonte:Portugal Diário 06-08-07

4 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

Será melhor esperar pelo fim do processo, mas pessoalmente, posso estar muito enganado, achei o vídeo muito estranho...

SILÊNCIO CULPADO disse...

Concordo consigo, Tiago, e por isso pus um ponto interrogação. Em qualquer dos casos por vezes a polícia excede-se no uso excessivo da autoridade. Mas também há o outro lado: polícias alvejados em confrontos ou, simplesmente, por serem uma força de segurança.

7 Pecados Mortais disse...

Realmente isto é um pau de dois bicos. Concordo plenamente com vocês. Tenho policias na família e as histórias que me contam são impressionantes. Um policia nos dias de hoje é totalmente desrespeitado, por vezes duvidam-se deles devido a alguns "envolvimentos ilícitos". Hoje o Policia não representa a mesma imagem de há algum tempo atrás. Contudo, casos são casos e como seres humanos também erram e quando assim é, têm de pagar também pelos seus actos. Mas a policia é sempre um alvo mais fácil de abater, figura publica e de uma imagem muito fácil de ser perseguida. Mas pergunto: " Onde estão os vários detidos por estes policias por crimes (em que alguns já muito graves)? Soltos...Os juízes até são porreiros...Isto é um sistema complicado e divide até as forças de autoridade. Por vezes revoltam-se, deixam fujir possíveis criminosos. E porquê?? O Sistema judical como é óbvio. Os meios não justificam os fins e por isso se cometerem alguma infracção grave devem responder por isso. Contudo penso que aqui o sistema judicial passa a ser justo, rápido e condena provavelmente inocentes, ou não! Eis a questão. Infelizmente passari
íamos horas a discutir este assunto . Ficou este breve comentário. Abraços

Pascoalita disse...

Peço desculpa se o meu comentário for considerado extenp+orâneo, mas só hoje reparei e senti que devia dizer algo sobre o assunto:

A maioria das vezes que observo cenas destas, e sem querer de modo algum desvalorizar o que se passou neste caso em concreto, até pq não conheço em que circunstâncias os factos ocorreram ou qual o objectivo de ter neste exacto momento tanto empato, há algo que venho observando:

Verifico mtas vezes que ss pessoas que criticam e acusam as autoridades de abuso de autoridade e do recurso à agressão física, são exactamente as mesmas que, quando vítimas de um crime e necessitando da sua intervenção, acusam a polícia de ser demasiado branda e benevolentes! Em que ficamos???
Ou queremos Deus para nós e o Diabo para os outros?
Eu nunca desrespeitei as autoridades e tb nunca fui por estas maltratada.